3 motivos para você sair da renda fixa

Talvez você esteja se perguntando: devo ou não sair da renda fixa? Hoje nós vamos apresentar 3 motivos que vão te convencer a migrar do mercado financeiro tradicional para o mercado financeiro de ativos alternativos! Continue lendo o artigo abaixo e descubra quais são os motivos!

Taxas de Juros muito Baixas

A taxa de juros básica, ou SELIC, está em 4,5% ao ano. A poupança, que rende 70% da inflação mais Taxa Referencial, vai render 3,15% em 2020, contra uma inflação prevista de 3,5%. O investimento mais popular do Brasil vai ter rendimento negativo, uma realidade que até pouco tempo atrás parecia impensável, que apenas ouvíamos falar em países como Japão e Suécia.

Mesmo títulos que pagam 150% do CDI, raros, e entre os mais cobiçados do mercado, renderão apenas 6,6% em 2020. Considerando a inflação de 3,5%, temos um rendimento real de 3% ao ano, ou 0,25% ao mês. Para colocar isso em perspectiva, alguém com um patrimônio de R$1 milhão, um objetivo difícil, teria uma renda de apenas R$2.500 ao mês.

Com as taxas de juros da renda fixa tão baixa, é aconselhável que o investidor reduza a porcentagem dos seus investimentos nessa modalidade. Claro, sem eliminar completamente a renda fixa do portfólio e sempre com equilíbrio. A melhor opção para o dinheiro do dia a dia ainda são aplicações do CDI, e a compra de títulos de longo prazo atrelados ao CDI pode render bons frutos conforme a taxa de juros sobe novamente.

Melhores Opções com Segurança

No Raio X do Investidor Brasileiro, a ANBIMA constatou que 48% dos brasileiros preferem a segurança de um investimento em detrimento do rendimento. Muitos percebem a poupança como o investimento mais seguro, e por isso existe resistência em sair da modalidade. Contudo, em 2020 surgem alternativas extremamente seguras e ainda sim de alto rendimento.

Os tokens de precatórios, por exemplo, dão ao investidor retorno de mais de 15% ao ano. Como são dívidas públicas, o grande risco é o atraso no pagamento, mas mesmo nos cenários pessimistas os tokens superam o CDI em mais de 200%. São investimentos sólidos, com características muito similares à renda fixa. Como possuem um grau de risco um pouco maior, o ideal é que o investidor aloque uma parcela do que alocava antes para renda fixa e invista em precatórios. Além disso, somos a única plataforma na qual esse tipo de investimento conta com liquidez, já que o investidor pode sair de sua posição ou comprar mais tokens a qualquer momento.

Renda Variável em Alta

Para os mais arrojados, também existe a opção de aumentar a alocação em renda variável pura. O momento é um dos melhores dos últimos tempos - a bolsa subiu 32% em 2019, melhor resultado desde 2016. Claro, não podemos esquecer ainda das criptomoedas - apenas em 2019 vimos o Bitcoin subir quase 100%. Outras criptomoedas, como a Litecoin, tiveram um retorno de 41%. Esperamos que a tendência continue, já que o ano de 2020 é muito promissor para as criptomoedas. Temos eventos como o halving, perspectiva de lançamento da primeira moeda digital de um banco central e outros, que você pode conferir na nossa Perspectivas 2020.

Aproveite para assistir ao vídeo abaixo com o nosso diretor de OTC, Fabrício Tota:

Post anteriorPróximo post