Bitcoin ajudando no combate à Covid, exemplo prático

Quais as maiores preocupações quando o assunto é doação para auxiliar em alguma crise? Falta de transparência provavelmente figura no topo da lista, correto? Afinal, de que adianta ter a boa vontade de voluntários, se no meio do caminho ocorrem desvios, superfaturamentos e desperdício de recursos?

Foi pensando nisto que o Mercado Bitcoin resolveu dar um pontapé inicial numa campanha de doação para combater o Coronavírus no Brasil, iniciando com a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Cirurgia de Sergipe.

Conforme a arrecadação crescer, o plano é ampliar o número de instituições beneficiadas, focando sempre em leitos e equipamentos para tratamento da população mais carente. O Hospital de Cirurgia de Sergipe é uma tradicional entidade filantrópica, que atende os pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Por este motivo, o Mercado Bitcoin se solidarizou, iniciando a campanha com uma doação de 2 Bitcoins.

O diferencial deste projeto? A utilização do blockchain do Bitcoin, que traz transparência e possibilita auditoria em tempo-real por qualquer pessoa através de um explorador de bloco, conhecido como block explorer. Vamos ver isto na prática, de forma simples e descomplicada.

Carteiras e Endereços de Bitcoin

Pode parecer meio loucura falar de endereço para denominar uma carteira (wallet) de criptomoedas, mas temos que pensar que no blockchain, este banco de dados descentralizado gigantesco, é necessário armazenar o histórico de cada moeda desde sua criação, o momento no qual foi minerada. Criar uma carteira é grátis e pode ser feito até sem conexão à internet. Isso se dá pois a quantidade de chaves privadas disponíveis é maior que o número de grãos de areia no planeta. Com essa chave privada em mãos é possível gerar diversos endereços para receber Bitcoins em sua carteira.

IMPORTANTE: embora a chave privada seja uma sequência de letras e números, os aplicativos de carteira facilitam nossa vida utilizando uma sequência de 12 ou 24 palavras em inglês. A verdade é que tanto faz a forma que você irá armazená-la, contanto que nunca mostre para ninguém e só utilize-a em um dispositivo que você tenha certeza que não possui vírus ou softwares maliciosos.

IMPORTANTE 2: caso opte por manter seus bitcoins no próprio Mercado Bitcoin, toda a gestão de chaves é feita por nós, pode ficar tranquilo. Mas seja extremamente cuidadoso com sua senha de acesso e ative o 2FA (segundo fator de autenticação). Mais informações aqui.

Endereço da campanha de doação

Toda movimentação e saldo dos endereços de Bitcoin são públicos. Quer consultar o andamento de nossa campanha de arrecadação? 38zV1uySXgv4NLueuJxpXsf3sABR6VFBQs (blockchain.com) (blockchair.com)

A primeira coisa que podemos notar são as informações de número de transações, total recebido/enviado, e balanço (saldo) final. Abaixo podemos ver os detalhes de cada transação que este endereço participou, com seus respectivos hash, ou código de confirmação. Pense no hash como uma autenticação, um identificador único de cada transação que ocorre no blockchain. É através dele que podemos verificar quantas confirmações foram realizadas pelos mineradores, montante transacionado, endereços de entrada e saída, data e hora que foi transmitida para a rede, etc.

Privacidade vs Pseudônimo

Embora o blockchain seja completamente transparente, não é possível saber quem são os donos por trás de cada endereço. No caso dos fundos arrecadados para o Hospital de Cirurgia de Sergipe, decidiram revelar publicamente, pois a campanha visa justamente trazer mais transparência.

Não podemos afirmar a mesma coisa dos milhares de outros endereços existentes, e por mais que alguém consiga afirmar que determinado endereço está ligado à alguma entidade, isto não lhe confere nenhum poder. Para realizar transferências é necessária a chave privada, que fica em posse do dono da carteira.

Caso a pessoa desejar, pode criar vários endereços, como se tivesse diversas contas bancárias para receber valores, assim o remetente não fica sabendo o saldo total de sua carteira. O importante é entender que apesar de transparente, não é possível saber quem são os donos de cada endereço.

É por este motivo que o Mercado Bitcoin optou por utilizar o blockchain do Bitcoin para fazer o bem, e tenha certeza que os mais de R$ 137 mil arrecadados foram transferidos para uma entidade séria que seguirá ainda mais equipada e motivada para ajudar quem precisa neste combate ao Coronavírus.

__

Quer aprender mais sobre transação de Bitcoin?Leia este outro artigo que nossa equipe preparou com muita dedicação. Ainda não se cadastrou no Mercado Bitcoin, a maior exchange de criptomoedas e ativos alternativos da América Latina? Clique aqui e embarque neste mundo mais transparente que só o blockchain pode proporcionar.

Post anteriorPróximo post