Criptoativos

Bitcoin vs Ethereum: Conheça as principais diferenças entre elas!

23/09/2021

5 minutos 45 segundos de leitura

Bitcoin vs Ethereum: Conheça as principais diferenças entre elas!

Bitcoin e Ethereum são as duas maiores criptomoedas, porém pequenas diferenças na tecnologia tornam seu uso completamente diferente.

É verdade que ambas utilizam o banco de dados blockchain, a mineração utilizando um algoritmo criptográfico, e funcionam sem uma empresa ou governo por trás. No entanto, as similaridades param por aí.

Abaixo vamos explorar se Bitcoin ou Ethereum vale mais a pena, qual possui maior potencial, se estão baratas, e suas diferenças, na prática.

Se você ainda não está familiarizado com as moedas digitais, recomendamos este outro artigo: “O que é criptomoeda”, onde explicamos as diferenças para o dinheiro tradicional, e para que servem.

Entenda Como Funciona o Bitcoin

O Bitcoin é a primeira e mais antiga criptomoeda, criada no início de 2009. Sua estrutura foi projetada para ser simples e extremamente funcional.

A moeda digital foi criada para permitir transações, incluindo o pagamento por bens e serviços, sem possibilidade de censura.

Utiliza uma versão simples do banco de dados distribuído blockchain, que armazena o mínimo de informações possível.

  • Possui um limite fixo de emissão de 21 milhões de moedas.
  • Sua segurança é feita pelos mineradores, exigindo um grande gasto de energia.
  • Busca escalabilidade através de camadas independentes, que não interferem no funcionamento de seu blockchain.
  • Além da internet, os dados são transmitidos por satélite e rádio por seus usuários.
  • Nunca mudou sua política monetária, com redução programada na emissão a cada 4 anos.

Em suma, o Bitcoin pretende manter sua camada-base solidificada, ou seja, evitar mudanças nas regras e limites de emissão, garantindo que upgrades sejam retro-compatíveis.

Confira no vídeo abaixo o que torna o Bitcoin tão especial, e para que serve.

Como funciona o blockchain do Bitcoin?

O blockchain do Bitcoin é peculiar, pois não armazena os saldos de cada usuário. Só o que fica registrado são as movimentações de cada endereço, uma espécie de “linha” no banco de dados.

Desse modo, quando um usuário consulta o saldo em sua carteira digital (wallet), o sistema irá vasculhar todo o registro histórico de movimentações.

  • Os mineradores validam as transações e as incluem na sequência do blockchain.
  • Cada usuário faz a verificação desses novos blocos de forma independente.
  • Novos blocos são encontrados, em média, a cada 10 minutos.

Essa ausência de flexibilidade foi pensada para evitar possíveis surpresas negativas. Ao mesmo tempo, o alto intervalo entre os blocos deixa claro que o objetivo não é confirmar transações em poucos segundos, e sim garantir que todos usuários estão acompanhando o mesmo bloco.

O Bitcoin é seguro, e seu histórico de 12 anos de funcionamento sem intercorrências prova como é eficaz a tecnologia de seu banco de dados, em conjunto com chaves criptografadas.

Entenda Como Funciona o Ethereum

Ambas as criptomoedas possuem as mesmas funcionalidades básicas de divisibilidade, transferência, segurança, e independência. Todas as movimentações e saldos dos endereços são públicos e auditáveis.

A rede Ethereum é capaz de executar programas de forma automática, desenvolvidos na linguagem computacional própria, Solidity. Isso porque o objetivo do Ethereum é ser uma plataforma para executar de forma automática aplicações sem um coordenador central.

  • Não existe um limite de emissão de moedas ETH
  • Possibilita a execução de smart contracts, os contratos auto-executáveis.
  • Já alterou sua política monetária diversas vezes.
  • Está no meio de uma migração para o Ethereum 2.0, e pretende acabar com a mineração tradicional.

É fato que o projeto busca inovação, mesmo que abra mão da descentralização em alguns pontos.

Confira abaixo como vai funcionar a atualização do Ethereum.

Como funciona o blockchain do Ethereum?

O blockchain do Ethereum é considerado uma versão mais moderna, pois armazena diversos dados, além do saldo de cada endereço.

Parte das moedas ETH já foi enviada para a nova rede 2.0, mas futuramente ambas vão ser interligadas.

  • Armazena informações adicionais nas camadas de seu blockchain.
  • Os mineradores validam as transações e as incluem na sequência do blockchain.
  • Novos blocos são encontrados, em média, a cada 13 segundos.

Não há necessariamente um melhor ou pior nessas questões, pois os objetivos de cada uma das redes são completamente diferentes.

Quais são as principais diferenças entre Bitcoin e Ethereum?

Ambos são criptomoedas e utilizam o banco de dados distribuído, blockchain. São redes que atuam sem um coordenador central, com software de código-fonte aberto.

fundador-ethereum

Acima temos a imagem de Vitalik Buterin, o russo-canadense criador da Ethereum. Em oposição, o criador do Bitcoin é anônimo, utilizando o pseudônimo de Satoshi Nakamoto.

Embora existam diferenças na forma como os dados são armazenados, na prática, o resultado é o mesmo: as transações, após confirmação dos mineradores, são irreversíveis, e somente o dono de cada endereço consegue movimentá-las.

  • Ethereum nasceu com 72 milhões de moedas previamente criadas.
  • Ethereum possui pré-investidores, e até mesmo uma empresa por trás de seu lançamento.
  • Bitcoin possui uma política monetária fixa, garantindo previsibilidade ao investidor.

Desse modo, o Ethereum pretende ser uma estrutura computacional para aplicações descentralizadas de terceira geração, incluindo Web 3.0. Enquanto isso, o Bitcoin é uma criptomoeda com uma rede extremamente segura e confiável para registro de transações.

Quais as diferenças na tecnologia do Bitcoin e Ethereum?

Para aumentar a capacidade de processamento de dados, a Ethereum 2.0 optou por abandonar a mineração, e migrar para a Prova de Participação, ou Proof of Stake (PoS).

Neste modelo, são exigidos depósitos dos validadores, que ficam de garantia para assegurar sua honestidade. Com isso, a nova rede busca adotar 64 camadas adicionais de informação, processadas em paralelo.

  • A confirmação das transações no Ethereum é mais rápida, e permite a execução de smart contracts.
  • Ethereum conta com diversas aplicações descentralizadas rodando em sua rede de forma nativa.
  • Bitcoin conta com uma segunda camada de transações instantâneas e sem custo, a Lightning Network.
  • Aplicações na rede Bitcoin são possíveis somente através de sidechains, as redes paralelas.

Não existe um consenso entre qual a melhor solução para aumentar a capacidade de processamento do blockchain. Enquanto algumas redes buscam aumentar o tamanho do bloco, outras seguem o Ethereum com canais paralelos (sharding).

Já o Bitcoin dá mais importância para a descentralização, por isso aposta na segunda camada funcionando de forma independente, com seu próprio mecanismo de consenso.

Ethereum é melhor que Bitcoin?

Não é possível fazer previsões de longo prazo para o Ethereum, pois a criptomoeda está enfrentando um longo e denso período de transição para a versão 2.0.

Se a atualização for bem sucedida, aumentando consideravelmente a capacidade de processamento da rede, Ethereum certamente pode facilmente ultrapassar 1 trilhão de dólares de capitalização de mercado.

Enquanto isso, o sucesso do Bitcoin não depende de grandes revoluções, apenas pequenas melhorias incrementais. O fato de El Salvador ter adotado o Bitcoin como moeda oficial do país, ao lado do dólar, mostra seu potencial de crescimento.

Enfim, as propostas são muito diferentes, e ambas encontram-se em estágio inicial de adoção, portanto o potencial de ambas é enorme.

Veja neste outro artigo se Ethereum pode desbancar o Bitcoin, onde explicamos em mais detalhes o potencial desta rede de smart contracts.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.