Educação

Bull Market e Bear Market: existe tendência em criptomoeda?

Criado em 20/12/2021 - Atualizado em 20/12/2021

5 minutos 30 segundos de leitura

Bull Market e Bear Market: existe tendência em criptomoeda?

Bull market e Bear market são expressões bastante conhecidas no mercado financeiro tradicional, utilizadas para determinar a tendência do mercado.

Em inglês, bull quer dizer touro, e sua imagem é associada a uma tendência de alta. O símbolo de Wall Street é um touro, que utiliza seus chifres para ataque partindo de baixo para cima.

Já a palavra bear, urso em inglês, é usada para denominar um mercado em baixa, pois este utiliza suas patas dianteiras partindo de cima para baixo, portanto associado a tendências de queda.

bull-market

O que é bull market?

O mercado de touro é um período onde os movimentos de alta são dominantes. Em geral, a tendência impacta toda uma classe de ativos, por exemplo: ações de empresas, fundos imobiliários, criptomoedas, taxas de juros, petróleo e derivados, entre outros.

Apesar de não haver uma regra clara para definir o bull market, algumas considerações podem ser feitas:

  • Pode perdurar apenas por algumas semanas, mas eventualmente se estende por uma década.
  • Dependendo do ativo, quedas acumuladas de 40% podem ocorrer em um bull market.
  • Em geral, notícias negativas possuem pouco ou nenhum impacto na cotação durante as sequências de alta.
  • É usualmente acompanhado pela melhora nas expectativas, independente da situação atual.

Mecanismos do ciclo de alta:

É preciso deixar claro que não existe uma regra, e tampouco todos os movimentos listados abaixo vão ocorrer em qualquer bull market. Trata-se de um exercício teórico que tenta captar a essência dos principais impactos psicológicos durante um rally.

ciclo-de-alta

  1. Acumulação: também conhecido como período de lateralização, ainda não há uma definição clara do movimento de alta ou queda.
  2. Início de tendência: as altas passam a formar picos cada vez maiores, enquanto os períodos de queda não conseguem romper as mínimas recentes, conhecidas como suporte.
  3. Sacode: primeiro grande teste do bull market, onde muitos falsamente acreditam que ocorreu uma reversão de tendência.
  4. Ganho de momento: a alta começa a chamar a atenção da mídia e demais investidores, há sinais de novo fluxo de compra.
  5. Bear trap: a armadilha dos ursos, pois é natural existirem correções após fortes altas; no entanto, os alarmistas aproveitam para instaurar um sentimento de pânico e fim do ciclo de alta.
  6. Renovação do otimismo: após formar uma nova máxima no ciclo de alta, compradores ganham confiança e o sentimento de ganância prevalece.
  7. FOMO, efeito manada: o “medo de ficar de fora” passa a invalidar qualquer lógica de avaliação.
  8. Euforia: o movimento de alta é reforçado por matérias nos jornais e revistas mostrando como as pessoas mudaram de vida após investir no ativo.

Aprenda a estratégia DCA para evitar a euforia do Bull Market:

O que é bear market?

O mercado de urso é um período de baixa, onde as tentativas de alta são rapidamente revertidas, mantendo-se uma tendência de queda. Podem existir exceções, alguns ativos subindo por conta de notícias ou expectativas individuais, porém, no geral, percebe-se o sentimento de medo prevalecendo dentre os investidores.

  • Sua duração normalmente varia entre alguns poucos meses e uma década.
  • Durante essa correção podem ocorrer ganhos acumulados de 30% ou 40%, porém podem ser insuficientes para encerrar o break market.
  • Em geral, notícias positivas, e mesmo sólidos dados econômicos apresentam pouco ou nenhum impacto nas cotações.
  • Por conta do sentimento de medo, qualquer incerteza, mesmo sem fundamento, tende a acelerar o movimento de queda.

Mecanismos do ciclo de queda:

A ilustração abaixo é apenas teórica, e nem todos os exemplos abaixo acontecem em todos os ciclos de bear market. O mecanismo determinante do bear market é o pessimismo geral, ou receio de que o movimento continue.

ciclo-de-baixa-bear-market

  1. Decepção: o movimento de queda surpreende a todos, especialmente os mais otimistas; não há sinal de melhora.
  2. Bull Trap: a primeira grande reversão, onde os compradores acreditam ter encontrado o fundo, portanto, uma armadilha para os touros otimistas.
  3. A “máxima fraca”: apesar do grande rally, que pode chegar em 30% ou 40% dependendo do ativo, não há força para formar uma nova máxima.
  4. Quebra do espírito: fica claro que a “máxima fraca” ficou distante de reverter a tendência.
  5. Medo e FUD: até jornais e TV fazem matérias mostrando como foi ruim ou perigoso investir, pintando um cenário dramático.
  6. Desespero e capitulação: quando o último otimista joga a toalha e todos desistem, acreditando que não há esperança para uma retomada no curto ou médio prazo.

Existe Bull Market e Bear Market no Bitcoin?

Sim. Qualquer ativo que negocie com razoável volatilidade, ou seja, oscilação de preço, vai eventualmente apresentar períodos de alta, lateralização, ou queda. A área de estudo que se concentra na análise de indicadores e gráficos é conhecida como análise técnica. Abaixo temos seu preço em Reais (R$) no Mercado Bitcoin:

bull-market-bitcoin

  • Repare como o período entre setembro de 2020 e maio de 2021 apresenta movimentações típicas de um Bull Market.
  • Além da valorização superior a 500%, somente em meados de maio tivemos uma queda que invalidou a tendência — pontilhado vermelho no gráfico.

As criptomoedas estão em bear market?

Depende do período de análise, porém, observando os últimos 6 meses, a tendência de alta, ou bull market, prevalece. O gráfico abaixo reflete a soma do valor de mercado de todas as criptomoedas, em milhões de dólares.

marketcap-criptomoedas

  • O ciclo de alta iniciou-se no final de julho, portanto completando 4 meses.
  • Não há evidência de que esta tendência tenha se encerrado.
  • O movimento é similar à correção de 25% ocorrida em setembro.
  • Uma queda abaixo de U$ 2,3 trilhões de capitalização total de mercado (pontilhado vermelho) seria um indicador do fim do bull market.

Só existe bull e bear market?

Não, os momentos de indefinição do mercado, ou lateralização, são mais frequentes do que se imagina. Mais importante do que medir quantas semanas ou meses de alta (ou queda) consecutiva, é analisar os indicadores, além do sentimento de mercado.

Portanto, são várias as questões que devem ser analisadas antes de definir se estamos em um Bull Market ou Bear Market:

  • As notícias positivas estão acelerando as altas ou foram ignoradas?
  • Os dados e notícias negativas tiveram um impacto exagerado nas cotações?
  • As últimas 3 ou 4 semanas foram todas de alta, ou de queda expressiva?
  • A alta recente já superou o ponto onde ficou caracterizado um Bear Market?
  • Olhando um período mais longo, é possível encontrar um movimento inverso?

Vale a pena fazer compras e vendas de Bitcoin?

Sem dúvida existem traders de criptomoedas que realizam negociações frequentes, buscando aproveitar as oscilações naturais do mercado. No entanto, o investidor de longo-prazo sabe a importância para acumular em períodos de Bear Market, e aproveitar as correções. Enquanto isso, é forte o suficiente para evitar a euforia do Bull Market, comprando sem exagero.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.