Destaques

Carteira de investimentos, como analisar de maneira correta?

Criado em 07/07/2021 - Atualizado em 07/07/2021

4 minutos 34 segundos de leitura

Carteira de investimentos, como analisar de maneira correta?

Analisar os dados da carteira de investimentos, incluindo retorno, tributos, preço médio, e volatilidade, é uma tarefa complexa. A tarefa de consolidar dados pode trazer dores de cabeça, pois usualmente o investidor atua em diversos mercados e corretoras.

Pensando nisso, o Mercado Bitcoin firmou uma parceria com a Smartbrain, que faz justamente esse serviço de agregar de forma automática ativos que incluem ações de empresas, clubes de investimento, fundos de participações, COEs, fundos de direitos creditórios… e agora, criptoativos.

Nesse estágio inicial, os clientes da Smartbrain vão ter acesso às cotações históricas dos criptoativos negociados no Mercado Bitcoin. Futuramente, será possível realizar o envio de ordens, ou seja, efetivamente administrar sua carteira, através da plataforma de nosso parceiro.

Calma! Você não precisa ser um expert para fazer isso

Com a Smartbrain, é possível agregar dados de custo médio, volatilidade, e liquidez. Em suma, simplifica a tarefa de analisar dados dos ativos individuais ou de forma agregada.

O usuário da Smartbrain consegue realizar previsão de imposto de renda, come-cotas de fundos, amortizações de aplicações de renda fixa, tudo de forma consolidada em um único local, em relatórios e extratos que comparam com os indicadores financeiros.

Ah! Tudo isso pode ser acessado integralmente pela web, ou através de aplicativos Android e iOS.

O que é rentabilidade?

Rentabilidade é o retorno de um investimento, independente do ativo apresentar (ou não) um fluxo de caixa. No caso do ouro, ou moedas como Euro e Dólar, a variação entre o montante disponível para resgate e o valor aplicado é a medida de rentabilidade.

A medida pode ser expressa de forma nominal (bruta), ou real, descontando a inflação acumulada no período.

Como distribuir o risco de maneira correta?

Um erro clássico é uma alocação baixa em ativos dolarizados, ou ao menos com exposição positiva ao câmbio. Outro problema da alocação tradicional é ignorar mudanças que possam prejudicar grande parte da carteira, um aumento na tributação, ou mudança brusca na taxa de juros.

Por isso, embora possa parecer uma atividade simples, analisar um portfólio, um conjunto de investimentos distintos, é uma tarefa complexa. Sem dúvidas, esta tarefa é fator determinante no sucesso dos investidores e gestores, portanto, deve ser analisada com cautela.

Basta selecionar os melhores dos últimos 12 meses?

É tentador acreditar que a performance passada irá se repetir, especialmente quando não há grandes mudanças no cenário. Isto é, se a taxa de juros, dólar, e projeções de crescimento não sofreram grandes alterações, é provável que os investimentos vencedores continuem muito semelhantes.

Infelizmente, ninguém possui bola de cristal, logo não vamos entrar nesse mérito. O problema de selecionar dentre os ativos de maior rentabilidade é criar uma carteira de investimentos sem uma boa gestão de risco, ou seja, cujos fatores determinantes de alta ou queda impactam de forma semelhante todo o portfólio.

Alta volatilidade deve ser evitada?

Um ativo apresentar volatilidade alta não é necessariamente algo negativo, porém, o investidor deve estar ciente dos riscos. Desse modo, a alocação deve ser realizada de acordo com seu apetite para tais oscilações, além de considerar a possibilidade de resgates antes do prazo previsto para maturação da carteira.

Para se obter um retorno mais elevado, é necessário tomar mais risco, logo, é natural apresentar oscilações mais fortes na cotação. A volatilidade do índice Bovespa está em 21%, enquanto a do Bitcoin encontra-se em 90%. Para efeito de comparação, a volatilidade de fundos de renda fixa é inferior a 1%, enquanto os fundos imobiliários giram entre 8% e 18%.

Conforme mencionado, não é saudável buscar baixa volatilidade, especialmente em cenários de juro real baixo ou negativo. Em outras palavras, se a inflação medida pelo IPCA é de 9%, e o principal indicador da renda-fixa (CDI) está em 3%, o juro real está negativo em 6%. O poupador de baixíssimo risco está perdendo poder de compra, apesar do ganho nominal.

Por que é importante ter uma carteira diversificada?

De forma resumida, o objetivo é minimizar o impacto de surpresas negativas. Ao dividir o montante em classes de risco e vetores de crescimento distintos, você reduz sensivelmente as chances de perda.

Não é necessário uma estratégia complexa. Idealmente, é recomendado iniciar alocando igualmente em três classes de investimentos distintas. A estratégia depende mais da capacidade de sobreviver a choques e eventuais perdas, do que acertar um único ativo.

Adicionar uma fatia em ativos de maior risco melhora o retorno e reduz a volatilidade da carteira em períodos de incerteza, especialmente quando há baixa correlação entre eles.

Acompanhe no vídeo abaixo com a equipe de @usecripto como gerenciar riscos de uma carteira de criptomoedas:

Benefícios de criptoativos na diversificação

As criptomoedas e os demais investimentos alternativos possuem baixa correlação com o mercado tradicional, como renda fixa ou ações. Nesse sentido, o mercado acionário move-se de maneira relativamente uniforme, especialmente em períodos de crise e recessão.

Em contrapartida, os ativos alternativos possuem alto potencial de rentabilidade, porém são mais arriscados. Em suma, criptomoedas devem constar no portfólio dos investidores, porém proporcional ao apetite de risco de cada um.

Todos os estudos, com períodos variando entre 2 e 8 anos, provam que uma alocação em criptomoedas aumenta o retorno de uma carteira de investimentos e reduz o risco total. Isso ocorre por conta de sua baixa correlação, independente de períodos de alta ou queda.

Por esse motivo, sugerimos que os clientes saiam do zero, iniciando com uma pequena alocação em criptomoedas, talvez entre 1% ou 5% do patrimônio. O aumento deve vir de forma natural, conforme o investidor compreender a dinâmica do ativo.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.