Educação

Saiba como guardar bitcoin e comece a investir agora mesmo!

Criado em 17/05/2021 - Atualizado em 17/05/2021

7 minutos 15 segundos de leitura

Saiba como guardar bitcoin e comece a investir agora mesmo!

Um dos maiores receios de investidores iniciantes em Bitcoin é o armazenamento, ou seja, como guardar as moedas. São inúmeras histórias de investidores que perderam o notebook com as senhas, ou de pessoas que não lembram a chave de acesso ao dispositivo físico.

No entanto, guardar Bitcoin é mais simples e seguro do que se imagina. Primeiramente, é preciso entender que as criptomoedas nunca saem do blockchain, este banco de dados sem uma entidade coordenadora. Desse modo, o usuário armazena apenas a palavra-chave (seed), uma espécie de senha da carteira digital.

De fato, existem modalidades de carteiras menos seguras, conectadas à internet, denominadas ‘carteiras quentes’ (hot wallet), enquanto outros modelos funcionam no formato físico, desconectado da rede. Essas ‘carteiras frias’ (cold wallet) podem ou não ser dispositivos eletrônicos.

Afinal, qual a melhor maneira para guardar Bitcoin? O investidor enfrenta dezenas de opções, e nem sempre há um modelo que agrade a todos. Por isso, o Mercado Bitcoin, explica quais as melhores carteiras de criptomoedas.

O que é uma carteira (wallet) de criptomoedas?

Cada endereço na rede funciona como uma espécie de conta-corrente, na qual somente o detentor da senha - no caso, chave criptográfica - consegue realizar transferências. As carteiras digitais são formas de armazenar estas chaves, provendo assim a segurança necessária para os usuários.

Em suma, ao invés de guardar Bitcoins, as carteiras armazenam as senhas de acesso. Qualquer um pode criar uma carteira digital (wallet), mesmo sem conexão com a internet. Basta ter em mãos o software-base do Bitcoin, ou algum software de carteira digital. Isto é possível dado o número quase infinito de combinações possíveis de chaves privadas.

Ou seja, a hipótese de você gerar a chave privada de um endereço previamente utilizado é quase inexistente. No entanto, se alguém tiver acesso à sua chave privada, esta pessoa poderá imediatamente esvaziar os fundos, mesmo sem seu conhecimento ou autorização. Por este motivo é tão importante administrar de forma correta sua carteira digital de Bitcoin. Nunca passe a ninguém a sua chave-privada!

Exchange de criptomoedas e wallet é a mesma coisa?

Não. Embora as exchanges, incluindo o Mercado Bitcoin, ofereçam um endereço para receber moedas, o usuário não possui sua palavra-chave (seed). No entanto, há clientes que não se sentem confortáveis em armazenar os criptoativos por conta própria, e portanto prefere deixá-los sob a tutela da exchange.

Um dos pilares centrais do Mercado Bitcoin é nossa preocupação com a segurança. Por este motivo, mantemos a maior parte das criptomoedas de nossos clientes em cold wallets, carteiras que não ficam conectadas à internet. Desse modo, conseguimos garantir a máxima segurança dos ativos digitais em nossa custódia. Além disso, contamos com o que há de mais seguro e robusto em questões de infraestrutura.

Nosso histórico de funcionamento de mais de oito anos de forma ininterrupta, sem registro de ataques ou indisponibilidade de valores de clientes, é a prova máxima de confiança. Por estes motivos somos a única corretora de criptoativos da América Latina dentre as 25 mais transparentes de acordo com o Blockchain Transparency Institute - BTI.

Está na dúvida se ainda vale investir após a alta de 2021? Este outro artigo explica qual o potencial do Bitcoin, e por que grandes investidores estão comprando agora.

Qual a vantagem das carteiras quentes (hot wallet)?

Pode parecer meio óbvio que por ser mais segura, todos deveriam optar pela carteira fria (cold wallet). No entanto, apesar de reduzir sensivelmente os riscos de exposição desnecessária, por exemplo, digitar a chave privada em um dispositivo com vírus, esta modalidade é menos eficiente.

No caso da carteira quente (hot wallet), o detentor da chave privada consegue autorizar transações de onde estiver, diretamente de seu celular ou computador. Por esse motivo, esta modalidade é ideal para guardar Bitcoin para pequenas movimentações.

Em contrapartida, a carteira fria exige um dispositivo adicional, usualmente um dispositivo protegido por senha que se conecta via USB ou Bluetooth. No entanto, é possível trabalhar também com ‘carteiras de papel’ (paper wallet), ou seja, a palavra-chave anotada em um local seguro, por exemplo, uma folha de alumínio ou metal.

Como a cold wallet transmite dados sem internet?

Uma dúvida muito comum dos usuários é como a carteira fria autoriza a transação, já que a mesma não possui conexão com a internet. Na realidade,esta cold wallet, seja ela eletrônico ou não, é utilizada para autorizar a transação em outro dispositivo, por exemplo, um smartphone ou computador.

Pense na carteira fria como o antigo ‘token’ (chave) de acesso que autoriza outro sistema a realizar transações. Por estar fisicamente desconectada dos demais dispositivos, este modelo cria uma camada adicional de segurança para evitar a invasão por hackers e vírus.

No vídeo abaixo, a equipe da @usecripto mostra na prática como transferir Bitcoin para uma cold wallet.

É possível ter mais de uma carteira (wallet)?

Sim. Independente se a escolha é na modalidade fria ou quente, os usuários podem utilizar diversas carteiras, sem custo. Por exemplo, uma carteira quente que é utilizada somente no celular para despesas do dia-a-dia, e outra fria, de forma 100% independente, para uma reserva.

Também é possível ter acesso simultâneo da mesma carteira em diferentes dispositivos. Nesse sentido, qualquer transação será refletida em todos os canais, já que as moedas, conforme explicado anteriormente, ficam no blockchain, e não na carteira. Quem guarda Bitcoin é o blockchain, a rede descentralizada.

Dessa forma, há usuários que utilizam a mesma carteira no computador e celular. Ao invés de criar uma chave mestra (seed), nesse caso basta importar a carteira previamente utilizada.

Acompanhe neste outro artigo como funciona a mineração de criptomoedas e os robôs de trade automatizado.

Quais as melhores carteiras quentes?

Novamente, é preciso reforçar que cada usuário irá encontrar soluções que melhor se adaptam às suas necessidades. Desse modo, vamos listar as três mais utilizadas em cada categoria, sem ordem de preferência.

Cabe lembrar que independente da escolha, é necessário anotar a palavra-chave (seed) em local seguro. Existem diversas opções no mercado, incluindo a brasileira stackbit, resistente à fogo e ferrugem. Jamais armazene esta informação de forma digital, mesmo que seja um print da tela.

Exodus: Além de ser uma carteira digital que suporta múltiplas criptomoedas e tokens, possui versões para desktop e celular. Possui parceria com a fabricante de hardware wallets Trezor. De visual agradável e extremamente intuitivo, armazena as chaves criptográficas somente no dispositivo do usuário, protegido por senha. Por este motivo é uma das preferidas dos iniciantes, no entanto, deixa a desejar em questões de flexibilidade para usuários mais avançados.

BRD: Uma wallet simples e segura, voltada para usuários iniciantes, porém com a flexibilidade necessária para controle das taxas pagas na rede. Além disso, possibilita, de forma simplificada, re-transmitir transações para acelerar o envio (RFB). Por conter um código-fonte aberto, traz a transparência necessária para garantir segurança. Possui versões para iOS e Android, e além do Bitcoin trabalha com diversas outras moedas.

Blockstream Green: Se existe uma empresa que é sinônimo de segurança e tecnologia, esta é a Blockstream. Além da transmissão de dados da rede Bitcoin via satélite, a empresa está intimamente ligada ao desenvolvimento do software Bitcoin Core, e tecnologia de segunda camada. As funcionalidades da carteira Green incluem 2FA, guarda temporária (timelocks), além de integração com hardware wallets Ledger e Trezor.

Quais as melhores carteiras frias?

Neste caso, existe um investimento que varia entre R$ 500 e R$ 1.400, dependendo do modelo. Por este motivo, é recomendável para investidores que pretendem guardar em Bitcoin uma quantia superior a R$ 10.000 ou R$ 20.000 para justificar o investimento.

Os fabricantes mais conhecidos e elogiados pelos entusiastas são Ledger, Trezor, e ColdCard. Seus preços no exterior variam entre 90 e 200 dólares, porém é preciso incluir custos de frete e impostos de importação.

De qualquer maneira, todas oferecem uma proteção vastamente superior às carteiras que armazenam as chaves privadas em computadores, celulares ou na nuvem.

Atenção: Jamais compre hardware wallets de revendedores não-oficiais, mesmo através de marketplaces de renome, por exemplo, Amazon, Mercado Livre ou Americanas.com.

É necessário uma hardware wallet para começar a investir?

Não. No Mercado Bitcoin tudo é feito de forma rápida, eletrônica e segura. Desde o processo de cadastro, até a negociação e transferências de valores, realizados através de nosso site ou aplicativo para Android e iOS.

Em nossa exchange é possível comprar frações Bitcoin a partir de R$ 50, inclusive com depósitos através do PIX.Recomendamos aos clientes iniciar sua jornada o quanto antes, independente do valor, e dessa forma, testar envios e recebimentos de criptomoedas.

Aos poucos você irá ganhar a confiança necessária para embarcar de vez no universo das finanças digitais, uma revolução que permite a qualquer um “ser seu próprio banco”, atuando de forma livre e independente.

Curtiu este conteúdo sobre wallets, as carteiras de criptomoedas? Acompanhe o Mercado Bitcoin no Instagram para receber mais dicas sobre as finanças digitais.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.