Como ser um trader profissional e alcançar sucesso no mercado financeiro

O que faz um trader? Como é o dia a dia de um trader profissional? Operar mercados financeiros deixou de ser algo inacessível, pois além do homebroker, o acesso eletrônico à plataforma de negociação, agora o investidor conta com diversas ferramentas e fontes de informação, que antes eram extremamente caras ou simplesmente inacessíveis ao grande público.

Mas afinal, é possível trabalhar de casa, fazendo seu próprio horário e metas, conseguindo alguma forma de remuneração constante? O Mercado Bitcoin tem consciência de que este caminho tem sido cada vez mais procurado, tanto pelo apelo de dinheiro fácil e rápido, quanto pelo fato das criptomoedas permitirem negociações 24 horas por dia, 7 dias na semana.

Por este motivo desenvolvemos este artigo que visa atuar como guia para quem está iniciando a jornada, mas ao mesmo tempo abrindo os olhos de quem já está neste mercado, porém deseja tornar o hobby em profissão.

O que faz um trader?

Mesmo quem acompanha mercados há alguns anos costuma errar este princípio básico. Luiz Barsi, o maior investidor Pessoa Física da Bolsa de Valores brasileira, faz aportes muito esporádicos, que duram décadas, buscando empresas pagadoras de dividendos. Para Barsi não existe “vender na alta”, análise gráfica ou trades de curto e médio prazo.

O fato de Luiz Barsi passar meses sem fazer negócios, ou nunca ter vendido suas ações não o torna “menos” trader do que outras pessoas, pelo contrário. Barsi encontrou um estilo de operar que comprovadamente funciona, e está alinhado com sua filosofia.

O Bitcoin e as demais criptomoedas são uma excelente opção para quem tem um apetite de risco maior, mas também traz diversos benefícios ao complementar uma carteira de investimentos, em especial a diversificação, além do alto potencial de retorno. Está na dúvida se ainda vale a pena investir em Bitcoin? Acompanhe neste outro artigo.

Não se deixe enganar: ninguém se torna um trader “melhor” por passar um grande número de horas acompanhando o mercado, ou realizar operações através de robôs, os sistemas de envio de ordens automatizadas.

Em suma, o trader realiza investimentos em uma ou mais classes de ativos, necessariamente negociados em mercados públicos. Não pode ser considerado trader o investidor que entra de sócio em uma empresa de capital fechado, por exemplo, uma gráfica ou um restaurante, ou o cidadão que compra apartamentos para reformar. Um trader precisa de liquidez.

Que tipos de traders existem?

Seria uma tarefa extremamente complexa listar todas as modalidades e formas de negociação. Há traders que acompanham exclusivamente um punhado de ativos, ou até mesmo um único, enquanto outros são capazes de analisar e negociar uma centena.

Além disso, existe toda uma gama de metodologias, desde o trader mais fundamentalista, que faz projeções de lucro da empresa de acordo com os diversos cenários, enquanto o analista puramente gráfico, ou técnico, evita ler jornais para não se influenciar.

Novamente, fazemos questão de frisar que não há um certo e errado, assim como a opção pelo uso de ferramentas que auxiliam as análises. Você irá encontrar traders de sucesso (e fracasso) em diversas modalidades.

No entanto, é possível classificar os traders de acordo com o aspecto prático de atuação. É possível atuar em carreira solo, como sócio ou funcionário de alguma instituição, ou até mesmo como intermediário, um assessor de investimentos devidamente capacitado e autorizado para realizar o envio de ordens.

Autônomo, sem vínculo com instituições

Esta é a classificação mais comum, afinal, para ser trader não é necessário nenhuma autorização, contrato ou treinamento. Engana-se quem pensa que só iniciantes ou amadores estão nesta situação. Muitos profissionais com décadas de experiência no mercado financeiro optam em algum momento pela carreira própria.

(+) vantagens: flexibilidade de horário e metas, liberdade para testar diferentes métodos e mercados; retém sozinho todo o ganho; (-) desvantagens: exige postura proativa para buscar treinamento, ferramentas e metodologia de investimentos; falta de previsibilidade de renda.

Autônomo, porém comissionado ou associado

Alguns traders preferem trabalhar para empresas sem vínculo empregatício, porém se beneficiando da estrutura de uma corporação, eventualmente realizando gestão de carteiras. Neste caso o trader administra parte dos recursos desta empresa, e para isto ganha uma comissão de acordo com seu desempenho. Há modelos no qual não há gestão compartilhada, onde o trader paga uma mensalidade para usufruir dos sistemas, mentoria e ferramentas.

(+) vantagens: troca de experiências com outros traders; possibilidade de alavancar ganhos no caso da gestão de valores de terceiros; feedback e aprendizado; (-) desvantagens: necessidade de adotar estratégias de curto prazo, seja pela cobrança na gestão compartilhada, ou de arcar com custos da estrutura.

Institucional

Usualmente este trader atua no modelo CLT padrão, ou contrato de exclusividade através de Pessoa Jurídica. É mais comum em instituições financeiras, os fundos de investimento, gestoras de recursos, e bancos, porém também existe esta figura em empresas tradicionais. Existe uma relação hierárquica clara, pois este trader presta um serviço, administrando recursos desse banco, empresa, gestora ou similar.

(+) vantagens: previsibilidade de renda; não há necessidade de utilizar recursos próprios, no entanto, sua remuneração está diretamente ligada à capacidade de gerar lucros para o contratante; (-) desvantagens: ganhos são integralmente do contratante, salvo eventuais modelos de contratos de co-participação nos lucros; regras, horários e normas mais rígidas de negociação; hierarquia variável, dependendo do modelo de contrato.

Broker, ou operador

O termo broker remete ao operador de pregão, aquele funcionário que ficava fisicamente dentro da Bovespa, atual B3, realizando compras e vendas de acordo com instruções que eram transmitidas pelo telefone. Com o tempo, este mercado tornou-se eletrônico, no entanto, a figura deste intermediador segue existindo. Mesmo algumas empresas financeiras não possuem um funcionário dedicado para acompanhar a execução das ordens, e por este motivo opta por delegar esta função à alguma corretora ou agente autônomo de confiança.

(+) vantagens: previsibilidade de renda; ausência de risco na operação, uma vez que a decisão de compra e venda não é de sua responsabilidade; (-) desvantagens: não há nenhuma co-participação nos ganhos; regras, horários e normas de negociação extremamente rígidas; hierarquia bem clara.

Salestrader, o líbero

O salestrader, de forma muito semelhante ao broker, necessariamente trabalha em contrato de exclusividade, usualmente no modelo CLT. No entanto, além de realizar os trades de acordo com a decisão do cliente, é responsável por assessorá-lo. Utilizando-se da estrutura da empresa, por exemplo, relatórios e acesso à analistas e economistas, o salestrader é encarregado de apresentar produtos, serviços e sugestões de investimentos. Atua como líbero, de forma flexível, tanto na área de trade, função dedicada do broker, quanto na parte comercial.

(+) vantagens: previsibilidade de renda; comissionamento, mesmo que indireto, de seu esforço de vendas; flexibilidade entre funções; (-) desvantagens: risco de sobrecarga, especialmente em períodos onde a instituição está ativamente participando na venda de algum produto ou serviço; regras, horários e normas de negociação mais rígidas; hierarquia bem clara.

Qualificações necessárias para se tornar um trader

Não há nenhum diploma ou formação que lhe confira uma certificação de trader. No entanto, para atuar em mercados regulados, especialmente quando se trata de instituições financeiras, existem algumas exigências legais.

A principal delas, e mais comum no Brasil, é o CPA-20, ou Certificação Profissional ANBIMA - Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais. Não se trata de um curso de formação de traders, mas sim de um exame para qualificação de profissionais que atuam na distribuição de produtos de investimentos. É possível realizar o exame CPA-20 mesmo não sendo funcionário de uma instituição financeira, na modalidade “Inscrições Avulsas”.

Quem deseja atuar como assessor de investimentos, atuando diretamente na área de renda variável, o mercado de ações e derivativos, poderá se credenciar na ANCORD - Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias. Embora mais voltado para o dia-a-dia do trader, o exame de certificação para Agente Autônomo de Investimento (AAI) tampouco é focado na capacitação. Trata-se de um exame para assegurar um nível mínimo de conhecimento técnico e regulatório.

Conforme mencionamos anteriormente, indicar algum curso para formação de trader é uma tarefa complexa, já que existem inúmeros mercados, enfoques, metodologias e técnicas. Lembre-se que o emocional é algo que influencia muito nesta escolha. Novamente, não há melhor ou pior, e sim modalidades diferentes que se encaixam melhor de acordo com a análise do seu perfil de risco de cada um.

Tornando-se um trader profissional

Primeiramente é preciso entender que mesmo os traders mais experientes e bem sucedidos cometem diversos erros. Não há nenhuma mágica ou método infalível por trás de mentes brilhantes como George Soros, Carl Icahn e Bill Ackman. Apesar do excelente histórico, todos tiveram grandes perdas.

Além das contas-correntes bilionárias, o que separa os traders de sucesso dos demais é a dedicação, a vontade de melhorar continuamente através do feedback, saber reconhecer os próprios defeitos, e acima de tudo, muito controle. Quando as emoções tomam conta, fazem os traders fugirem de seus sistemas e decisões acertadas.

Lembre-se: não é o número de horas acompanhando as cotações ou notícias que torna um trader profissional. O trader bem-sucedido tem a capacidade e frieza de traçar uma estratégia de jogo e seguir até o final. Ao contrário do trader amador, o profissional sabe exatamente qual seu nível de risco confortável para cada posição.

Se existe um segredo dos traders mais experientes, trata-se de saber stopar, encerrar a posição quando se está perdendo. O objetivo é minimizar os prejuízos e maximizar os ganhos, buscando retornos ainda maiores quando se acerta uma estratégia.

Assim como qualquer profissão que exige criatividade e raciocínio, o trader trabalha duro, mesmo quando não está fazendo absolutamente nada. Acredite, aguardar pacientemente um ponto de entrada ou saída é inexplicavelmente difícil, e poucos conseguem fazê-lo.

Principais desafios do trader

Independente do seu perfil de trader, executando ordens de forma manual e planejando médio e longo prazo, até os que optam por sistemas de robôs de alta-frequência, que realizam dezenas de trades por minuto, o principal desafio é administrar o risco.

A regra número um do mercado financeiro é a relação entre risco e retorno. Se você está entrando em uma operação livre de risco, com retorno muito acima da inflação, tome cuidado. Provavelmente há algum tipo de variável que não está sendo analisada, e pode acabar trazendo uma surpresa ingrata no final.

Risco e Retorno

Outro grande desafio que todo trader enfrenta é a curva de aprendizado. Engana-se quem pensa que irá encontrar um método que se encaixa perfeitamente em seu perfil e o manterá idêntico por vários meses ou anos. O mercado muda constantemente, seja por conta do maior uso de ferramentas e sistemas, ou pelo simples fato da mudança do perfil de seus participantes.

Você irá se questionar o tempo todo: se fez a decisão certa em seguir este caminho, se tem o que precisa para ser um trader de sucesso, se é possível viver sem uma previsibilidade de renda, dentre outros. O importante é não tentar colocar a culpa dos próprios erros nos outros, ou no “mercado”.

Dicas para ter sucesso como trader

Em linhas gerais, onde os traders mais erram é na falta de planejamento, tanto do fluxo de caixa necessário para sobreviver nos primeiros meses, nesta curva de aprendizado, quanto depois. Mesmo traders experientes podem e vão passar por semanas ou meses mais complicados, onde não será possível extrair nenhuma renda.

O Mercado Bitcoin é a maior plataforma de criptomoedas, ativos digitais e outros investimentos alternativos do Brasil. Além do Bitcoin, Ethereum e demais criptoativos consagrados, contamos com a MB Digital Assets, onde nossos clientes podem negociar Tokens de Consórcios e de Precatórios, opções de investimento que trazem excelentes retornos com alta previsibilidade de pagamento.

Nosso especialista Bruno Milanello gravou um vídeo bem detalhado com algumas dicas super importantes para quem deseja se tornar um trader de criptomoedas de sucesso. Assista:

Quer acompanhar as novidades do mercado de criptomoedas, ativos digitais e investimentos alternativos? Cadastre aqui seu e-mail para receber de forma 100% grátis nossos informativos e dicas do Mercado Bitcoin, a exchange de maior liquidez na América Latina.

Post anteriorPróximo post