Educação

Ethereum 2.0: o que é, quais as mudanças e onde comprar?

19/01/2021

9 minutos de leitura

Ethereum 2.0: o que é, quais as mudanças e onde comprar?

Ethereum é um protocolo capaz de executar contratos digitais de forma programada, os smart contracts. Para isto, utiliza um banco de dados descentralizado parecido com o do Bitcoin, porém com algumas camadas de informação adicionais.

Para utilizar esta rede é necessário pagar uma taxa aos mineradores, utilizando a criptomoeda nativa do protocolo, o Ether (ETH). No entanto, o sucesso da Ethereum, especialmente na área de finanças descentralizadas (DeFi), acabou congestionando a rede.

Este problema também impacta o Bitcoin e as demais criptomoedas, conhecido como dilema da escalabilidade. Em suma, os planos do Ethereum 2.0 não são novidade, embora o pontapé inicial da nova rede tenha ocorrido apenas em dezembro de 2020.

Se você já ouviu falar de ativos digitais registrados em blockchain, provavelmente se deparou com algum exemplo utilizando a rede Ethereum, líder absoluta no segmento.

O Mercado Bitcoin, exchange líder em número de clientes e volume no Brasil, lhe ajuda a entender este processo que irá culminar em uma nova rede, com um potencial de transações significativamente maior. Acompanhe conosco o andamento do Ethereum 2.0.

Qual a diferença entre Ethereum e ETH 2.0?

Ethereum 2.0 é uma nova rede blockchain, e com ela, nasce um novo criptoativo. Ou seja, não haverá uma bonificação (fork) ou conversão automática para os atuais detentores de Ethereum (ETH).

No entanto, a intenção é mover o ETH atual para a nova rede, que busca o processamento paralelo da informação. Deste modo, aumenta significativamente sua velocidade e capacidade de processamento, possivelmente até 100 mil transações por segundo.

Cabe lembrar que os contratos programáveis (smart contracts) e aplicativos descentralizados precisam ser migrados, e isso só poderá ocorrer após o lançamento completo da rede 2.0, que poderá levar até dois anos.

Prova de Participação, ou Proof of Stake

Para atingir esta maior capacidade de processamento de dados, a Ethereum 2.0 optou por abandonar a mineração, conhecida como Prova de Trabalho, ou Proof of Work. Este modelo tradicional necessita de um grande dispêndio de energia, associado às máquinas que realizam este esforço computacional.

Esta não é, entretanto, a única forma de adicionar blocos à cadeia de transações. Deste modo, já existem outras criptomoedas que optaram por exigir depósitos dos validadores, que ficam de garantia para assegurar sua honestidade.

Embora a ETH 2.0 tenha sido lançada no final de 2020, no momento é possível apenas migrar tokens ETH para a nova rede, sem permitir demais movimentações. Em resumo, no momento não é possível retornar, nem tampouco transacionar na rede 2.0.

Em troca deste trabalho e dispêndio, o validador recebe uma bonificação (staking). No caso do Ethereum 2.0, são necessários 32 ETH depositados, equivalentes a R$ 230 mil. Calma! É possível delegar sua participação para outro participante maior, e desta forma receber um valor proporcional.

Acompanhe em outro artigo mais detalhes sobre esta mudança no algoritmo da Ethereum, além de seu impato na escalabilidade e acessbilidade da rede.

Processamento paralelo, ou Sharding

A próxima etapa do ETH 2.0 será conhecida como ‘Fase 1’, na qual vão ser criadas as 64 camadas adicionais de informação. Este processamento paralelo permite que diferentes grupos de validadores atuem de forma simultânea. Em suma, aumenta significativamente a capacidade de processamento da rede.

Após a implementação destas camadas adicionais, a rede Ethereum que conhecemos hoje será interligada à ETH 2.0, na ‘Fase 1.5’. Ao longo dos próximos dois anos está prevista a entrada da ‘Fase 2’, permitindo a execução dos contratos programados (smart contracts) e comunicação entre as diferentes camadas da Ethereum 2.0.

Nova política monetária

Um benefício que irá surgir tão logo a Ethereum atual seja anexada à rede 2.0 é o corte na inflação equivalente. Deste modo, irá ocorrer uma redução drástica no número de moedas emitido anualmente, atualmente utilizado para recompensar os mineradores.

O processo de Prova de Participação depende exclusivamente da garantia depositada pelos validadores, portanto quase não exige esforço computacional. Não há dispêndio de energia ou mineradoras, portanto a remuneração necessária é consideravelmente mais baixa.

As estimativas apontam para uma queda dos atuais 4,5% ao ano para algo próximo de 0,40%. Independente do valor absoluto, será um marco para um projeto que historicamente não contava com uma política monetária planejada e reforçada por todos.

Prazo para as atualizações

Se existe um consenso entre quem acompanha a Ethereum desde seu lançamento em meados de 2015 é que provavelmente irá demorar mais que o previsto. A própria ‘Fase 0’, que inicialmente era apontada para o final de 2019, ocorreu um ano depois.

Danny Ryan, da Fundação Ethereum, explica que a complexidade ocorre devido as várias equipes envolvidas entre a idéia, pesquisa, especificação e provas de conceito, até entrar efetivamente em produção. Depois destas etapas, é necessário testar e validar cada mudança.

Nas palavras de Vitalik Buterin, a mente por trás da Ethereum: “Dentro de dois anos nossa tarefa será estabilizar e apreciar o que construímos. Até lá, a evolução do Ethereum é, sem dúvidas, uma aposta de que o planejamento foi feliz…

Onde comprar Ethereum 2.0?

No momento não é possível comprar o ETH 2.0, embora qualquer um consiga enviar seu Ethereum (ETH) atual para a nova rede. Ou seja, os interessados no novo criptoativo devem seguir com o ETH em suas carteiras normalmente.

Futuramente, na etapa conhecida como ‘Fase 1.5’ será possível converter livremente ETH em ETH 2.0 e vice-versa. Portanto, se você quer aproveitar o bom momento que o projeto está passando, com 90% de dominância nos aplicativos descentralizados, deve comprar Ethereum hoje, disponível para negociação em nossa plataforma.

O maior gargalo para o crescimento do Ethereum é a escalabilidade, e esta nova rede busca sanar este problema em definitivo. São inúmeras os casos reais em utilização hoje, e tudo indica que as aplicações descentralizadas vão se tornar o padrão da indústria.

Acompanhe abaixo o vídeo da Carol e Kaká da @usecripto que explica o que é Ethereum, e como comprar na prática.

Curtiu esta explicação sobre o Ethereum 2.0 e o futuro dos contratos programáveis? Acompanhe nossas dicas no Instagram, e explore o mundo das finanças digitais com o Mercado Bitcoin, líder absoluto em volume e número de clientes.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.