Educação

Investir em Tesouro Direto vs Criptomoedas: Entenda as diferenças

Criado em 26/10/2021 - Atualizado em 26/10/2021

6 minutos de leitura

Investir em Tesouro Direto vs Criptomoedas: Entenda as diferenças

Buscando democratizar os investimentos, o Tesouro Nacional do Brasil, lançou em 2002 um serviço 100% online para compra e venda de Títulos Públicos. Denominado Tesouro Direto, o programa em parceria com a Bolsa de Valores permite aplicações a partir de R$ 30.

A partir desse momento, o pequeno investidor passou a ter o mesmo acesso a esta oferta da dívida pública, considerada o ativo mais seguro do mercado, pois o Tesouro Nacional administra o caixa do próprio governo. Como as criptomoedas competem com a renda fixa? Afinal, o Tesouro Direto garante uma rentabilidade positiva?

O que é Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional desenvolvido em parceria com a Bolsa de Valores para negociação direta dos Títulos Públicos Federais.

  • Atende unicamente pessoas físicas.
  • Serviço 100% online, sem taxa de corretagem ou de intermediação.
  • Oferta regular de compra e venda de Títulos Públicos pelo Tesouro Nacional.
  • Títulos Públicos representam a dívida do governo.

O Tesouro Nacional administra o caixa do governo, portanto estes Títulos são considerados os investimentos mais seguros do mercado.

Acompanhe no vídeo abaixo como obter retornos acima da Renda Fixa do Tesouro Direto:

Como funciona o Tesouro Direto?

No Tesouro Direto, o investidor escolhe quais Títulos Públicos deseja comprar. Embora a oferta seja feita diretamente pelo Tesouro Nacional, é necessário se cadastrar em uma instituição financeira homologada junto à Bolsa de Valores e aos demais agentes reguladores. É possível verificar a lista diretamente no site do Tesouro Nacional.

  • O Tesouro Direto é um investimento de Renda Fixa.
  • No momento da aplicação é informado o retorno para quem mantiver o Título até o vencimento.
  • O preço desses Títulos varia conforme a oferta e demanda do mercado, portanto quem vender antes do vencimento pode ter prejuízo.
  • A Dívida Líquida do Setor Público, em setembro de 2021, totaliza R$ 4,9 trilhões, e esses juros são pagos aos detentores dos Títulos Públicos.

Quais São os Tipos de Tesouro?

Existem basicamente quatro distinções de Títulos Públicos, embora sua negociação ocorra no mesmo formato. A única mudança é o investimento mínimo em cada instrumento, informado diariamente no site do Tesouro Direto.

a) Pré-Fixados sem juros periódicos: juros pagos somente no vencimento, portanto sua rentabilidade é pre-determinada.

b) Pré-Fixados com juros periódicos: similar ao produto anterior, porém o investidor recebe parcelas dos juros até o vencimento do Título.

c) Pós-Fixados sem juros periódicos: rentabilidade paga somente no vencimento, atrelada a algum indicador, por exemplo, inflação IPCA, ou a taxa básica de juros do Banco Central.

d) Pós-Fixados com juros periódicos: parcelas de juros pagas periodicamente, porém reajustada por um indicador.

Quanto rende o tesouro direto?

Através da página “Preços e Taxas” do site do Tesouro Direto, é possível ver a rentabilidade esperada de cada Título Público ofertado. Abaixo temos uma amostra da oferta extraída em 20 de outubro de 2021.

tesouro-direto

Cabe ressaltar que o IPCA acumulado nos últimos 12 meses é de 10,25%, porém não é possível determinar qual será a inflação nos próximos anos.

É comum o investidor iniciante confundir essa incerteza da taxa com Renda Variável, investimento onde não há nenhuma previsibilidade de retorno. Por exemplo, ao comprar ouro, imóveis, ações de uma empresa listada, ou Euros, não é possível estimar a cotação futura do investimento.

Em suma, o Tesouro Direto é um investimento de Renda Fixa, portanto, para o investidor que mantiver a posição até o vencimento, é possível saber de antemão qual o retorno esperado.

Como investir no Tesouro Direto?

O investidor pessoa física consegue realizar a operação de compra e venda dos Títulos Públicos no site ou aplicativo do Tesouro Direto. Para facilitar, alguns bancos e corretoras oferecem sua própria plataforma de negociação, embora a negociação ocorra diretamente entre o investidor e o Tesouro Nacional.

São basicamente 4 passos que devem ser seguidos para se investir no Tesouro Direto.

  1. Ter uma conta aberta e validada em uma das instituições financeiras autorizadas.
  2. Se cadastrar na plataforma do Tesouro Direto, que irá enviar a senha de acesso para o e-mail informado.
  3. Transferir o dinheiro para a instituição onde você fez o cadastro.
  4. Pronto, agora é só escolher entre os Títulos disponíveis e efetuar a compra do montante desejado.

É importante lembrar que diariamente o Tesouro Nacional oferece a compra e venda de Títulos Públicos no Tesouro Direto por um preço fixo para aquela data. Ao contrário do mercado de ações, por exemplo, não é possível escolher um preço para “aguardar” na fila de ofertas.

Qual a diferença entre Tesouro Direto e CDB?

CDB é a sigla para Certificado de Depósito Bancário, títulos emitidos por bancos ou instituições financeiras para captar dinheiro das pessoas físicas e empresas poupadoras. Ao contrário do Tesouro Direto, o rendimento do CDB tem como referência a taxa do CDI.

Abaixo listamos algumas das principais diferenças entre as duas aplicações de Renda Fixa.

tesouro-direto-vs-cdb

O investidor do CDB recebe o valor corrigido de juros, somente no vencimento. Algumas instituições oferecem a recompra do Título antes do prazo, porém é normal existir um período de carência ou desconto na recompra.

Qual a diferença entre Tesouro Direto e Criptomoedas?

Criptomoedas são ativos digitais sem um coordenador central, ou seja, não são emitidas por nenhum Banco Central ou governo. Portanto, o valor desses ativos digitais é definido pela oferta e demanda no mercado em dado instante. Justamente por não apresentar uma previsibilidade de retorno, criptomoedas são investimentos de Renda Variável.

  • Criptomoedas permitem a livre negociação entre seus usuários, um modelo conhecido como peer-to-peer, ou ponto-a-ponto.
  • As corretoras de ativos digitais, ou exchanges, surgiram para dar mais segurança às transações.
  • O mercado de criptomoedas negocia de forma independente ao redor do mundo, 24 horas por dia.
  • Ativos digitais permitem ao usuário fazer a própria custódia (armazenamento), portanto trazendo capacidade de transacionar sem intermediários.
  • O número de moedas digitais em circulação é público e auditável, enquanto os dados do Tesouro Direto são informados pelo próprio emissor.
  • A emissão de criptomoedas é previsível, enquanto o Tesouro Nacional pode emitir novos Títulos quando bem entender.

Como ganhar dinheiro com criptomoedas? Veja como no vídeo abaixo da @usecripto:

Tesouro Direto rende mais? É mais seguro que criptomoedas?

Não é possível estimar qual será o valor de uma criptomoeda dentro de um mês ou alguns anos, justamente por depender integralmente da oferta e demanda dos participantes do mercado em cada momento.

  • O Tesouro Direto pode apresentar retorno nominal negativo se a venda ocorrer antes do vencimento.
  • A cotação dos Títulos Públicos varia conforme a taxa de juros, inflação, e demanda do mercado.
  • Por se tratar de um sistema centralizado e 100% administrado pelo Tesouro Nacional, o Tesouro Direto é considerado o investimento mais seguro do país.
  • Nos 12 anos de existência do Bitcoin, a criptomoeda mais antiga, não há registro de falhas no processo de registro e validação das transações na rede.

Embora o risco do Título Público seja muito baixo, o mesmo dificilmente consegue manter seu poder de compra ante ativos escassos, especialmente aqueles cotados em moeda forte.

A solução?Diversificar, ou seja, distribuir a carteira em diferentes classes de risco, minimizando perdas em momentos de crise com o Tesouro Direto, porém com exposição em ativos com alto potencial de ganho, como as criptomoedas.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.