Mulheres investidoras: como está a atuação das mulheres no mercado financeiro?

Segundo dados a bolsa de valores brasileira B3, o percentual de mulheres investidoras tem variado entre 22% e 25% desde 2006. Isto nos mostra que esta apatia, medo, ou simples falta de informação, é algo secular, e infelizmente, não melhorou nos últimos anos. Isto, sem dúvidas, é um alerta de baixa participação das mulheres no mercado financeiro.

Mulheres Investidoras
Percentual de mulheres na B3. Fonte: B3

Analisando um perfil mais amplo, a ANBIMA encontrou apenas 37% de investidoras ao desconsiderar a poupança. Ao contrário do que se imagina, não é uma questão de escolaridade, já que 29% dos poupadores que estão somente na poupança possuem nível superior.

Por que motivo a presença do universo feminino no mundo dos investimentos é tão baixa? Seria essa uma aversão maior ao risco? Fuga da responsabilidade por insegurança ou falta de conhecimento?

O Mercado Bitcoin quer ajudar a entender melhor esta questão, pois disseminar a cultura de investimento, os benefícios da diversificação, e empoderar as mulheres através do conhecimento é parte de nossa missão. Deixe o medo de lado e acompanhe conosco!

Prognóstico preocupante

Dentre uma pesquisa realizada com 2.856 pessoas não-aposentadas em 2019, a ANBIMA, uma das mais respeitadas e tradicionais instituições do mercado financeiro brasileiro, revelou que 62% da população não economizou absolutamente nada ao longo do ano.

Outro dado alarmante é que dentre a poupança, tradicionalmente o investimento com o menor retorno, a pesquisa encontrou um percentual equilibrado entre investidoras mulheres e homens. Mesmo que o conservadorismo fosse apontado como raiz do problema, existem outras aplicações com o mesmo nível de risco, dentre elas os Títulos do Tesouro Direto.

Diferença é pior na área profissional

O principal certificado de planejador financeiro no país, CFP (Certified Financial Planner), conta com apenas 23% de membros do sexo feminino. A situação dentre os gestores de carteiras, mensurado pela certificação CGA da ANBIMA, é ainda pior, já que apenas 6% são mulheres.

Isto sinaliza algum receio, já que a adesão à certificação é voluntária. Não é necessário o vínculo à alguma instituição financeira para tornar-se um planejador financeiro certificado. Ou seja, a baixa proporção das mulheres dentre o universo dos investimentos é refletida de forma similar na área profissional.

Informação

Acredite se quiser, dentre os maiores canais no Youtube cobrindo educação financeira, as mulheres estão bem representadas no ranking. Na realidade a líder absoluta é Natália Acuri, do canal “Me poupe!”, que traz conhecimentos úteis dentre as mais diversas áreas de finanças pessoais, sempre com muito humor, clareza e experiência pessoal.

mulheres investidoras

Ainda não conhece o canal Riqueza em Dias, com Carol Dias? Corre lá e inscreva-se para acompanhar dicas de fundos de investimento, ações, Bitcoin, além de muito material bacana sobre finanças.

Diferença de renda

Sem dúvida o fato dos homens receberem em média 29% a mais é algo que reduz as possibilidades de investimento das mulheres, além de ser deplorável. A discriminação silenciosa praticada pela sociedade é uma das principais causas desta diferença, que alimenta um círculo vicioso, pois um salário menor dificulta a própria capacitação profissional.

Mulheres Investidoras
Renda média mensal dos trabalhadores medido pelo IBGE. Fonte: NEXO

Fator pessoal

Há outro fato que contribuiu negativamente para o desenvolvimento das mulheres investidoras, trata-se da falta de autoestima. De acordo com uma pesquisa global realizada pela gestora de ativos Franklin Templeton, 41% das mulheres dizem conhecer menos sobre investimentos que a média dos investidores. Entre os homens, apenas 23% respondeu à pesquisa desta maneira.

São tantos os exemplos de mulheres bem sucedidas em cargos importantes no mundo empresarial e das finanças, que estas líderes deveriam servir de exemplo e inspiração. Christine Lagarde, por exemplo, tornou-se Presidente do Banco Central Europeu em 2019. Janet Yellen foi Presidente do Federal Reserve (FED) dos EUA entre 2014 e 2018.

Jennifer Piepszak é Diretora Financeira Global do JP Morgan, um dos maiores e mais tradicionais bancos de investimento do mundo. Amy Hood é Diretora Financeira de uma das 3 maiores empresas do mundo, a gigante Microsoft. Estes são apenas alguns exemplos, porém a lista completa é bem extensa.

Motivos para o investimento

Apenas 9% dos entrevistados pela ANBIMA em 2019 pretendem utilizar os rendimentos das aplicações para a aposentadoria. Não surpreendentemente, mais da metade das pessoas está buscando adquirir ou reformar um imóvel, ou pretende comprar um automóvel. Isto sinaliza um desejo das pessoas de fugir do aluguel, ou do financiamento, que historicamente possuem juros muito altos.

Mulheres Investidoras
Desejo dos brasileiros para o ganho dos investimentos. Fonte: ANBIMA

No entanto, são poucos os brasileiros que estão juntando para a própria aposentadoria, ou construindo um colchão para a próxima geração. De qualquer maneira, historicamente a rentabilidade da poupança tem ficado muito abaixo das aplicações de renda fixa, bolsa de valores (ações), câmbio (dólar), ou ouro.

Rentabilidade com segurança

Infelizmente não há um único investimento que ofereça liquidez, ou seja, prontamente resgatável, com alta rentabilidade e segurança. Por este motivo o Mercado Bitcoin reforça a importância de conhecer seu próprio perfil de investimento, de forma a diversificar a carteira.

Diversificar nada mais é do que dividir em diferentes classes de risco, aproveitando, a solidez da renda fixa, a proteção do dólar ou ouro, e ao mesmo, tempo parte do elevado potencial de retorno das criptomoedas. Desta forma o portfólio não fica exposto aos mesmos fatores de risco, reduzindo as chances de uma surpresa negativa.

Ficou com dúvida? Este outro artigo explica na prática como montar uma carteira de investimentos diversificada.

Bitcoin e as mulheres investidoras

No Mercado Bitcoin,vemos também essas diferenças , já que apenas 11% dos investidores são mulheres. O lado positivo é que dentre as entrevistadas, 80% considera seu perfil de investimento conservador ou moderado. Isto indica que apesar da baixa penetração, nossas usuárias entenderam que investir em criptomoedas é uma excelente forma de otimizar o potencial de uma carteira de investimentos.

Veja mais detalhes em nossa pesquisa intitulada “como as mulheres investem em criptoativos no Brasil”.

O segredo é saber alocar a fatia de risco corretamente, e isto vai variar conforme a capacidade de aportes mensais, horizonte do investimento, e capacidade de lidar com oscilações de preços.

Mesmo uma exposição de 3% ou 5% em ativos de mais risco funciona, lembrando que este valor deve considerar todo o patrimônio, incluindo imóveis.

A visão das mulheres nas criptomoedas

mulheres investidoras

Carol Souza e Kaká Furlan são empreendedoras de Porto Alegre, e criaram o canal UseCripto para mostrar na prática o uso das criptomoedas, de forma complementar ao mercado tradicional.

A idéia é despertar o interesse nas pessoas, mostrando a importância da liberdade financeira, sem depender de governos ou intermediários.

O Mercado Bitcoin orgulha-se em ser apoiador e parceiro dessas meninas que já foram até São Francisco mostrar a importância do Bitcoin e as criptomoedas, na prática.

mulheres investidoras

Meltem Demirors é Diretora de Estratégia da CoinShares, uma empresa de investimento em ativos digitais, e anteriormente foi Diretora de Expansão na Digital Currency Group (DCG), um dos maiores conglomerados do universo de criptomoedas.

Além de ser uma das figuras públicas mais atuantes na defesa do Bitcoin, foi convidada para apresentar-se na Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados nos EUA. Meltem é conhecida por esclarecer que são as mulheres que controlam o dinheiro no mundo, já que são responsáveis na decisão de 80% dos gastos.

Bitcoin e as mulheres

A liberdade financeira, que só pode ser alcançada através da descentralização das criptomoedas, deveria ser uma bandeira de todas as mulheres. Mesmo quem não possui apetite de risco suficiente para colocar um pequeno percentual de seu patrimônio em Bitcoin, o que consideramos errado, pode se beneficiar da tecnologia blockchain nos investimentos alternativos.

O Mercado Bitcoin foi pioneiro na listagem dos tokens, criptoativos lastreados ativos reais, iniciando com os tokens de precatório, e posteriormente os tokens de consórcio. Desta forma é possível obter um alto retorno, ao mesmo tempo fugindo da volatilidade das criptomoedas, sem abrir mão da transparência e segurança do blockchain.

Poupança? Saia dessa, Kaká Furlan mostra a vantagem dos ativos tokenizados.

Quer começar agora mesmo a negociar tokens de ativos reais? Encontre aqui tudo o que você precisa saber sobre tokens de consórcio e tokens de precatórios. O Mercado Bitcoin oferece a segurança e liquidez necessária para a democratização de investimentos alternativos.

Post anteriorPróximo post