O que é mineração de bitcoin?

O bitcoin é uma moeda digital que não é emitida por nenhum Banco Central, governo ou instituição financeira. Novos bitcoins são criados a partir de um processo conhecido como mineração. Mas os bitcoins não são retirados do solo, como ouro e outros minérios. Uma criptomoeda é extraída de complexos cálculos matemáticos e camadas de criptografia.

O curioso é que assim como o ouro, o bitcoin nasceu limitado, o que garante as condições de escassez e previsibilidade, aspectos importantes para evitar a inflação seu preço. Seu protocolo determina que só podem existir 21 milhões de bitcoins no mundo. Até hoje, 80% dessa quantidade (cerca de 17 milhões) já está em circulação, e última fração de bitcoin deverá ser minerada por volta do ano 2140.

Quem são os mineradores?

Os responsáveis por verificar, transmitir e registrar essas transações no blockchain são os mineradores — computadores com grande poder de processamento, equipados com um hardware especial e conectados em rede.

Na prática, quando você envia um bitcoin para um amigo, há um minerador — ou melhor um supercomputador — por checando cada passo dessa transação. Ele confere, por exemplo, se você possui mesmo aquele valor, se você pode gastá-lo esse sua assinatura está correta. Ou seja, os mineradores são os auditores do processo.

Como funciona a mineração de bitcoins?

A mineração de bitcoin tem dois objetivos: o primeiro é validar as transações e o segundo é registrar as transações válidas no blockchain (livro-razão público e descentralizado). Mas esse registro só é válido se existir consenso entre os participantes da rede (chamados nós). Esse processo é o que garante a neutralidade, a segurança e o funcionamento do sistema.

Mas para validar as transações, essas máquinas precisam resolver cálculos dificílimos, que são ajustados em tempo real pela rede. Somente após a resolução desse problema, um novo bloco de transações é adicionado ao blockchain e o minerador é recompensado por seu esforço. Atualmente a recompensa é de 12,5 bitcoins, o equivalente hoje a mais de R$ 300 mil. Remuneração interessante, não?

Pois é, mas não é simples consegui-la. Isso porque há uma competição acirrada entre todos os mineradores da rede em busca da recompensa. E quem tem mais poder computacional para resolver os cálculos, acaba largando na frente. Além disso, a dificuldade aumenta, conforme entram mais participantes na rede. Resolver esse problema para validar e registrar as transações em um bloco válido para adicioná-lo ao blockchain pode levar, em média, 10 minutos.

Vale a pena minerar bitcoins?

Minerar bitcoins parece ser um bom negócio — além da possibilidade de ganhar 12,5 bitcoins, os mineradores ganham as taxas de quem está está enviando transações. Mas assim como o prêmio é elevado, o custo para alcançá-lo também.

Além do alto investimento em computadores com grande capacidade de processamento, além do gasto com energia elétrica, é necessário competir com poderosos datacenters espalhados pelo mundo. Na China, onde a energia é barata, há verdadeiras fazendas de mineração de bitcoin. É… assim fica difícil competir.