Criptoativos

O que é Stablecoin e qual a sua função, vale a pena?

Criado em 25/04/2022 - Atualizado em 25/04/2022

10 minutos de leitura

O que é Stablecoin e qual a sua função, vale a pena?

A alta volatilidade do mercado de criptomoedas sempre foi uma preocupação para os investidores. Por esse motivo foram lançadas as stablecoins, as moedas digitais pareadas em dólar.

As stablecoins fizeram tanto sucesso que alguns países querem migrar suas moedas para um formato de ativo virtual. O Brasil, inclusive, divulgou que pretende lançar o real digital até 2024.

Quer entender melhor quais são as stablecoins e se vale a pena comprar? Acompanhe com o Mercado Bitcoin, a maior corretora de ativos digitais da América Latina.

O que é uma stablecoin?

A stablecoin é um ativo digital que busca paridade de 1:1 com a moeda fiduciária, aquelas emitidas pelos governos e Bancos Centrais.

  • É um ativo 100% digital que só existe dentro do blockchain, o banco de dados compartilhado das criptomoedas.
  • São baseadas em moedas fiduciárias, por isso, são estáveis na cotação do dólar.
  • A stablecoin USD Coin (USDC), por exemplo, fica sempre muito próxima de 1 dólar.
  • A tecnologia pode ser utilizada para qualquer tipo de lastro: ouro, euro, petróleo, e até mesmo o índice S&P500.

Confira o vídeo abaixo para entender melhor, em menos de 3 minutos, o que é uma stablecoin:

Para que serve uma stablecoin?

A stablecoin é uma excelente opção para aqueles que desejam exposição ao dólar, mas sem a volatilidade, a forte oscilação nas cotações, característica das criptomoedas.

  • Serve para liquidar pagamentos de cartão de débito, ou pagar diretamente fornecedores e prestadores de serviços.
  • Pode ser usada nas remessas internacionais, sem intermediários ou taxas abusivas.
  • Oferece proteção contra a volatilidade do mercado.
  • Apresenta a mesma rastreabilidade, transparência e possibilidade de realizar a auto-custódia do que as demais criptomoedas.

A stablecoin é um elemento crucial para o universo das criptomoedas, pois é uma porta de entrada para quem ainda está iniciando. Desse modo, quem acredita na falsa ideia de que Bitcoin é pirâmide tem uma opção de moeda digital para experimentar as carteiras digitais.

Qual a vantagem da stablecoin no dia-a-dia?

Existem três casos básicos onde utilidade e praticidade ajudam bastante:

Moeda forte:

O dólar é, em termos gerais, a moeda mais forte e soberana na economia. O ativo serve como proteção contra a desvalorização do dinheiro para muitas pessoas que vivem em países onde a moeda local é mais fraca que o dólar, como o Brasil.

Saldo parado:

Vamos imaginar um cenário onde você vendeu seu Bitcoin e não quer deixar o valor parado na corretora (exchange) ou transferir para sua conta bancária. Neste caso, usar stablecoin é uma excelente opção, pois, guardando na carteira virtual (wallet), você fica com a custódia do seu dinheiro.

Transferência para exchange:

Antes, para transferir moeda fiduciária de uma exchange para outra era necessário sacar o valor e em seguida realizar o depósito. Tal processo leva tempo e envolve altas taxas. Agora, utilizando stablecoin, a transferência é muito mais rápida e barata.

Ao entender o que é Bitcoin, e as vantagens das moedas digitais, fica claro que a stablecoin é uma excelente opção para aqueles que desejam exposição ao dólar sem se expor às altas oscilações nas cotações.

Qual a desvantagem da stablecoin?

Como a stablecoin é uma classe de ativo de moeda pareada, ela não apresenta potencial de valorização e rentabilidade que as demais criptomoedas, como o Bitcoin. Além disso:

  • Na stablecoin o investidor não tem a garantia de que o emissor tenha de fato o depósito do lastro do ativo.
  • A conversibilidade em dinheiro fiduciário é usualmente restrita a investidores institucionais, os fundos de investimento e grandes empresas.
  • Não existe garantia de que a cotação ficará estável, pois este mecanismo de preço é definido pelos próprios usuários que compram e vendem nas exchanges.

Quais os tipos de stablecoin existentes?

Existem quatro tipos principais:

Colateralizadas por moedas fiduciárias (Fiat-backed):

São as mais conhecidas, pareadas na proporção 1:1 com o dinheiro emitido pelos Bancos Centrais e governos. Para emitir essa stablecoin, as empresas precisam colocar uma quantidade equivalente em moeda fiduciária, como o dólar, real ou o euro, em contas bancárias de uma instituição de confiança.

No entanto, elas apresentam riscos relacionados ao seu emissor, por exemplo, não possuir reserva suficiente. Nesse sentido, temos a Tether USD (USDT), que, teoricamente, corresponde ao dólar americano, contudo, jamais apresentou uma auditoria transparente e regular.

Atreladas a commodities:

Seguem o mesmo princípio da stablecoin que possui o lastro em moeda fiduciária. A diferença é que é baseada em matérias-primas, como ouro físico ou barris de petróleo.

A categoria acaba sendo mais volátil que a anterior, pois seu valor está diretamente relacionado à cotação da matéria-prima no mercado.

Colateralizadas em criptomoedas:

Possuem lastro em outras criptomoedas. Portanto, toda estrutura dessa categoria de stablecoin está fora do sistema financeiro tradicional. Ou seja, não existe possibilidade de censura.

O principal exemplo é a stablecoin DAI, que possui lastro (garantia) em outras criptomoedas geridas por smart contracts, os contratos digitais programáveis.

Algorítmicas ou não-colateralizadas:

Não possui relação direta com moeda fiduciária, commodities ou outras criptomoedas. Em vez disso, são totalmente lastreadas por algoritmos e pelos contratos inteligentes.

Basicamente, os tokens em circulação podem ser destruídos ou emitidos conforme a variação em sua cotação, buscando uma estabilidade.

Na prática, um sistema de algoritmos é responsável por reduzir sua emissão se o preço da stablecoin cair abaixo do valor da respectiva moeda fiduciária.

Quais as maiores stablecoins?

As maiores stablecoins são as que possuem lastro em dólar, liderada pela mais antiga delas, o Tether USD (USDT). Entretanto, devido à falta de transparência e governança, é alvo de críticas e desconfianças por parte dos investidores.

maiores-stablecoins

Acima temos o ranking das 10 maiores em capitalização de mercado segundo o CoinGecko, dados de Jan/2022.

USD Coin (USDC):

Foi criada pela Circle e pela Coinbase, duas grandes empresas americanas do ecossistema de criptoativos. Atualmente, é a segunda maior stablecoin lastreada em dólares americanos.

Dai (DAI):

Stablecoin mantida e regulada pela MakerDao, uma organização autônoma descentralizada (DAO) controlada pelos donos do token MKR.

Possui lastro em Ethereum (ETH) e outras criptomoedas, sendo sua paridade com o dólar atingida através de um mecanismo de rebalanceamento automático.

PAX GOLD (PAXG):

É lastreada em ouro, onde 1 token de PAXG vale 1 onça troy (1 onça troy = 31,1 gramas) de uma barra de ouro armazenada em um cofre.

A sua emissora oferece aos clientes a propriedade física equivalente de barras de ouro se assim desejarem.

O que é USD Coin (USDC)?

O USD Coin (USC) também é uma criptomoeda do tipo stablecoin que busca manter a paridade com o dólar norte-americano.

  • Criada em 2018, é administrada por um consórcio norte-americano Centre.
  • O projeto é bem regulamentado e todos os membros precisam estar em conformidade com as leis locais onde operam.
  • Possui suas versões em diversos blockchains, incluindo Ethereum, Solana, BSC, e Algorand.

Confira o vídeo abaixo com um passo-a-passo de como comprar dólar no formato digital no conforto da sua casa.

O que é CBDC?

CBDC, ou Central Bank Digital Currency, é uma moeda digital emitida por governos e Bancos Centrais. Ou seja, continua sendo uma moeda fiduciária.

  • No CBDC, cabe ao emissor estipular as regras de uso, incluindo a emissão de novas moedas.
  • Somente entidades selecionadas pelo emissor conseguem validar as transações, ou seja, são centralizadas.
  • Usa sistema de registro distribuído, porém não é necessário o blockchain, o banco de dados das criptomoedas.
  • O usuário comum não tem poder algum, pois pode ter suas transações censuradas e até mesmo revertidas conforme a vontade do emissor.

Agora que entendeu o que é CBDC e como é centralizado, é importante notar que ele compete com as demais stablecoins lastreadas.

Vale a pena investir em stablecoin?

Depende. O investimento em stablecoin varia do objetivo e dos tipos de investimentos que quer ter na carteira.

A stablecoin agiliza transações entre diferentes criptomoedas, não sofre volatilidade e é uma forma fácil de ter acesso ao dólar ou ouro. Todavia, para quem busca alta rentabilidade, talvez não seja a melhor opção.

Onde comprar stablecoin no Brasil?

Você pode comprar stablecoin no Mercado Bitcoin. Somos líderes no volume de negociação da stablecoin USD Coin (USDC) em reais.

Na nossa plataforma, você tem acesso a diversos ativos digitais com uma interface bem intuitiva, e consegue negociar com depósitos a partir de R$ 50. Viu como investir em criptomoedas é acessível?

Agora que já aprendeu qual é a função da stablecoin, abra sua conta no Mercado Bitcoin e aproveite para diversificar ainda mais sua carteira de investimentos em 2022!

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.