Educação

Quer saber como funciona o trade de criptomoedas? Veja aqui!

Criado em 14/06/2021 - Atualizado em 14/06/2021

5 minutos 48 segundos de leitura

Quer saber como funciona o trade de criptomoedas? Veja aqui!

Quando se fala em trade de criptomoedas, a compra e venda em corretoras, muitos automaticamente pensam no “ day trader ”, o especulador que busca ganhos de curto-prazo. No entanto, essa não é a única estratégia, e aliás, é a menos recomendada para a maioria dos participantes.

Os traders mais bem sucedidos no mercado tradicional são aqueles que montam posições de longo-prazo, porém fazendo ajustes em períodos de pico ou de pânico. No Bitcoin e criptomoedas essas variações bruscas são mais comuns, por conta da incerteza sobre a adoção e o próprio rumo da tecnologia.

Ao contrário do mercado acionário, onde a negociação de ações é centralizada na bolsa de valores, nas criptomoedas cada corretora (exchange) atua de forma individual, portanto, com suas próprias regras, prazos, taxas, e questões de segurança.

Por esse motivo, entender como funciona o trade de criptomoedas, independente do seu nível de experiência em outros mercados, é tão importante. Por isso, o Mercado Bitcoin, a exchange mais confiável e segura do país, explica as diferenças e peculiaridades deste mercado.

Como funciona o trade de criptomoedas?

A negociação de criptomoedas, independente se estamos falando de Bitcoin, Ethereum, ou Ripple, ocorre sempre de forma voluntária entre dois participantes. De um lado, o comprador deposita Reais (R$) na conta-corrente da exchange, do outro, o vendedor transfere antecipadamente os criptoativos.

Deste modo, a corretora (exchange) realiza a intermediação, assegurando que ambos os lados recebam os valores pelo preço acordado entre as partes. Em troca desse serviço, a exchange cobra uma comissão, de maneira similar ao que ocorre no mercado acionário tradicional.

Concluído o trade, o comprador pode, se assim desejar, transferir imediatamente as criptomoedas para outro endereço (wallet) de sua preferência. Caso contrário, a própria exchange é responsável pela guarda, a custódia dos criptoativos. O mesmo vale para o vendedor, que agora possui Reais (R$), podendo realizar o resgate para uma conta bancária de sua titularidade.

Quer ver como funciona o trade de criptomoedas na prática? Acompanhe o vídeo criado pela equipe da @usecripto.

É preciso ter muito dinheiro para iniciar?

Não. No Mercado Bitcoin é possível realizar compras e vendas a partir de R$ 50, independente da cotação da criptomoeda. Dessa maneira, o comprador torna-se dono de uma fração do criptoativo, por exemplo, 0,005 Ethereum (ETH), no valor aproximado de R$ 65.

Mais importante do que iniciar com um valor alto, é aprender a realizar o gerenciamento de risco, através da diversificação do patrimônio, avaliar a liquidez do investimento, e identificar corretamente o risco de impactos negativos em cada classe de ativos.

De fato, existem as taxas de transação cobradas pelos mineradores para transferências de criptoativos, e usualmente passam de R$ 50 no Bitcoin e Ethereum. Por este motivo, é recomendável manter os criptoativos na exchange até que o valor a ser transferido seja compensatório.

Cabe lembrar que transferências para endereços do próprio Mercado Bitcoin são imediatos e não possuem taxa.

O que é “day trade” e “swing trade”?

Day trade” é uma operação de compra e venda do mesmo criptoativo, dentro do próprio dia. A diferença é o prazo para as demais modalidades, por exemplo, o “swing trade” costuma manter a posição durante alguns dias ou semanas.

O objetivo do trade é o lucro, e no caso do “Day Trade”, a estratégia é relativamente simples, comprar e vender por um preço mais alto, dentro de um curto espaço de tempo. Seja qual for seu perfil, é importante traçar uma estratégia, pois o momento de entrada ou saída das suas operações é crucial para ser bem sucedido.

Se você quer ser um “Day trader”, tenha em mente que não é possível estabelecer metas semanais ou mensais de lucro, já que o mercado de renda variável é, por natureza, imprevisível.

Cabe lembrar que vendas mensais de criptoativos no valor agregado de até R$ 35.000 por mês são isentas de impostos. Outra vantagem de operar numa exchange nacional regulada é que todas as transações são automaticamente reportadas para a Receita Federal, seguindo a Instrução Normativa nº 1.888, que entrou em vigor em setembro de 2019.

Quais as outras modalidades de trade?

A arbitragem consiste em realizar compras e vendas simultâneas em diferentes mercados, buscando pequenos ganhos imediatos. Por exemplo, o usuário pode comprar 0,20 Litecoin em uma exchange por R$ 160 e imediatamente realizar a venda em outra corretora por R$ 170.

Embora pareça simples, na prática, a arbitragem pode utilizar sistemas de trade automatizado por robôs, além de um capital previamente depositado em ambas as exchanges. O Mercado Bitcoin está integrado ao sistema mais avançado de trade para criptomoedas, o Vector. A plataforma oferece recursos de análise gráfica, tape reading, stop loss, e dados on-chain.

No entanto, existem traders com perfil de longo-prazo, popularmente conhecido como HOLD (ou HODL) nas criptomoedas. Neste caso, é comum realizar compras periódicas, usualmente semanais ou mensais, evitando assim o estresse de tomar decisões durantes períodos de alta ou queda do mercado.

Não existe a “melhor forma de trade”, pois cada investidor possui seu próprio horizonte, apetite de risco, e capacidade de realizar novos aportes.

Quer saber qual a melhor estratégia de trade para você? Confira as dicas no vídeo abaixo.

Existe alguma regra ou benefício para o “day trade”?

No mercado de criptomoedas, a tributação e taxas entre o “day trade” e as demais modalidades é idêntica. No Mercado Bitcoin, trabalhamos com uma tabela decrescente, que inicia com 0,30% para ordem passiva no livro de ofertas. Esta mesma operação, independente do prazo, terá sua corretagem reduzida em 40% quando o volume negociado pelo cliente nos últimos 30 dias ultrapassar R$ 200.000.

Quanto maior o volume transacionado no Mercado Bitcoin, menores são as taxas de intermediação. Cabe lembrar que ordens executoras (taker), realizadas imediatamente no livro de ofertas, pagam uma corretagem mais alta, iniciando em 0,70%. Em resumo, o cliente que deixa “pendurada” suas ofertas com antecedência é beneficiado por menores taxas.

Acompanhe a lista que preparamos com 8 ferramentas indispensáveis para quem deseja fazer trade de criptomoedas.

Como escolher a melhor exchange de criptomoedas?

É comum o iniciante optar por exchanges com menores taxas, no entanto, esquece de considerar o fator segurança. Existem corretoras que bloquearam saques por mais de uma semana, e outras que já sofreram hacks (ataques) gerando perdas de mais de 7.000 Bitcoins.

Além disso, ao optar por uma exchange que não respeita as normas brasileiras, ou utiliza parceiros locais para intermediar o pagamento, é possível enfrentar problemas com a Receita Federal, já que a mesma não realiza os informes obrigatórios.

Outro problema comum é que durante fortes oscilações no mercado estas exchanges menores ficam com sistemas indisponíveis, impossibilitando o trade. Por estes motivos, o convidamos a realizar o cadastro e acompanhar nossa oferta de criptoativos, além da maior liquidez em qualquer situação de mercado.

Curtiu este conteúdo sobre as diferentes modalidades de trade de criptomoedas? Acompanhe o Mercado Bitcoin no Instagram e Facebook para receber mais dicas.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.