Educação

Quais os tipos de investidor? Como definir meu perfil?

Criado em 17/12/2021 - Atualizado em 17/12/2021

5 minutos 30 segundos de leitura

Quais os tipos de investidor? Como definir meu perfil?

Pode parecer perda de tempo descobrir que tipo de investidor você é, afinal, é saudável investir em diferentes classes de risco.

No entanto, conhecer seu perfil de investimento facilita a tarefa de definir metas e limites. Por exemplo, qual a sua necessidade de ter uma renda mensal garantida, ou a capacidade de alocar recursos em caso de queda?

Enfim, cada tipo de investidor vai se beneficiar de forma diferente dos mesmos ativos, portanto engana-se quem acredita ser desnecessário esta avaliação.

Quais os tipos de investidores?

A regulação do mercado financeiro tradicional traz 3 principais tipos de investidor, embora essa classificação seja incompleta.

  • Conservador: prefere segurança, com pouca tolerância ao risco; aceita ganhos inferiores para preservar seu patrimônio.
  • Moderado: aceita alocar parte em ativos de maior risco em troca de um retorno maior; entende que oscilações de curto-prazo são normais na renda variável.
  • Agressivo, ou arrojado: é tolerante às oscilações dos preços dos ativos, ou volatilidade; busca retornos muito acima da renda fixa; não é dependente do fluxo de caixa deste investimento.

Na figura abaixo, trazemos alguns exemplos de investimentos que tradicionalmente são mais buscados por cada tipo de investidor:

tipos-de-investidor

Existem outros tipos de investidores?

Sim. A classificação regulatória, além de generalista, não foca nas características individuais, que podem ser determinantes para limitar ou estimular determinadas classes de ativos. Por exemplo:

  • Um investidor com imóvel próprio poderia ter menos recursos em fundos imobiliários para evitar dupla-exposição.
  • Quem possui filhos em idade escolar pode trabalhar com uma carteira separada, de longo-prazo, visando estes objetivos.

Quais os tipos de investidores de criptomoedas?

No mercado de criptomoedas, usualmente os investidores são classificados em dois perfis básicos:

Holder, ou HOLD: acredita no potencial do mercado de criptoativos; não realiza vendas em momentos de pico, e tampouco se desespera nas correções.

Trader: busca as oscilações de preços para aumentar ou reduzir sua posição; sua visão varia conforme o cenário e noticiário.

Como descobrir seu perfil de investidor?

Muitos bancos, sites ou na corretoras oferecem um questionário para você conhecer o seu tipo de investidor, seguindo um padrão provavelmente definido pelo regulador.

No entanto, também devem ser considerados:

  • Nível de conhecimento dos produtos.
  • Objetivos de curto, médio e longo prazo.
  • Qual a referência, ou benchmark, para a análise.
  • Fluxo de caixa para eventuais aportes.
  • Risco de necessitar de grandes quantias repentinamente.

O vídeo abaixo explica como se comporta, de maneira geral, cada tipo de investidor:

O que é risco de investimento?

Risco de investimento é o grau de incerteza em relação à sua rentabilidade, ou taxa de retorno. Dessa forma, o mede a chance do investidor:

  • Obter um retorno abaixo do esperado.
  • Perder tudo o que foi investido.
  • Ser afetado por externalidades.

Existem modelos matemáticos utilizados para precificação, ou valuation, que permitem o cálculo da margem de segurança. Deste modo, o investidor fundamentalista espera por oportunidades para comprar ativos descontados, reduzindo assim o risco do investimento.

O Risco e Retorno depende do tipo de investidor?

Não. No eixo risco e retorno, cada classe de ativo possui sua própria classificação, que independe do investidor.

risco-e-retorno

A principal dica para reduzir os riscos é ter uma carteira diversificada, ou seja, dividir os ovos em várias cestas.

Qualquer tipo de investidor pode se beneficiar dos ativos com maior grau de risco, como o Bitcoin ou Bolsa de Valores. No entanto, as aplicações de renda variável devem respeitar o apetite individual para oscilações negativas.

Renda fixa é segura para qualquer tipo de investidor?

Os investimentos de renda fixa possuem pouca ou nenhuma incerteza na rentabilidade. Além disso, sua segurança depende do risco do emissor e até mesmo questões particulares de mercado ou de tributação.

Existem quatro fatores de risco que devem ser analisados:

  1. Crédito: possibilidade de inadimplência — não pagamento de uma dívida — seja um banco, empresa, ou governo.
  2. Mercado: possibilidade de perder dinheiro com movimentação na cotação até o vencimento do título.
  3. Inflação: perda do poder de compra por retornos abaixo da inflação no período.
  4. Liquidez: grau de dificuldade para converter um investimento em dinheiro.

Por mais de duas décadas, investir em renda fixa no Brasil foi rentável, porém isso mudou em meados de 2020. Com a alta da inflação e queda na taxa de juros, o rendimento descontado da inflação ficou negativo. Desse modo, o poupador que optou por esta segurança, na realidade, perdeu dinheiro. Atualmente, com a alta constante da inflação, o Comitê de Política Monetária (COPOM) está elevando a taxa de juros básica (SELIC) na tentativa de conter a inflação.

Ainda não sabe o que é CDB e CDI? Confira mais neste outro artigo.

Tesouro Direto é 100% seguro?

Depende se o investidor valoriza autonomia, possibilidade de intervenção, e poder de compra frente a moedas mais fortes.

  • O Tesouro Direto pode apresentar retorno negativo se a venda ocorrer antes do vencimento.
  • A cotação dos Títulos Públicos varia conforme a taxa de juros, inflação, e demanda do mercado.
  • Os indexadores da taxa Selic e inflação IPCA podem não refletir o aumento de preço dos ativos escassos, como imóveis e bolsa de valores.
  • Trata-se de um sistema centralizado, que depende de intermediários e horários de funcionamento do mercado.

Quer fugir da renda fixa, porém buscar algo com segurança e previsibilidade? Acompanhe abaixo.

Qual a rentabilidade para cada tipo de investidor?

Rentabilidade é o retorno de um investimento. Por esse motivo, está diretamente ligada aos ativos que cada tipo de investidor concentra na carteira.

Renda fixa: possuem risco baixo, e rentabilidade previsível; na média tendem a acompanhar o indicador CDI.

Renda variável: estão mais sujeitos a fatores externos, sendo impossível antever seu ganho; seu maior nível de incerteza traz consigo um potencial de alta mais elevado.

Existe carteira ideal para cada tipo de investidor?

Não existe uma carteira ideal para cada tipo de investidor. Entender quais são suas metas é fundamental, pois evita escolher aplicações em desacordo com seus objetivos.

Elaborar uma carteira diversificada, voltada para as necessidades de cada indivíduo, reduz as chances de perdas e potencializa os ganhos. É através da gestão de riscos da carteira que o investidor determina seu potencial de lucro.

Investidor conservador pode comprar criptomoedas?

Sim, quem define o risco de uma carteira não são os ativos, e sim o percentual alocado em cada segmento. Além disso, existe uma baixa correlação entre os ativos tradicionais e as criptomoedas, trazendo benefícios em períodos de incerteza.

Cabe ressaltar que os ativos digitais vão além do Bitcoin, portanto existem opções com menos risco, dentre elas:

  • Tokens de Precatórios: títulos de dívida pública resultantes de ações judiciais.
  • Stablecoins: criptomoedas paredes em outros ativos, como o dólar (USDC) ou o ouro (PAXG).

Seja qual tipo de investidor você se enquadre, as criptomoedas podem estar no seu portfólio. Saia do zero, abra sua conta no Mercado Bitcoin e inicie hoje sua jornada nesse mercado que não para de crescer.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.