Educação

Token: o que é, como funciona e como se diferencia da criptomoeda?

30/10/2020

Token: o que é, como funciona e como se diferencia da criptomoeda?

No universo dos investimentos, token é o registro de um ativo em formato digital. No entanto, este termo é muito amplo. Deste modo, pode variar desde um registro de nome do cliente, sem valor comercial, até tokens que representam investimentos imobiliários.

Foi o uso da criptografia, e das redes descentralizadas das criptomoedas, que impulsionou este mercado de tokens. De fato, quase tudo pode ser transformado em token, ou seja, ganhar uma representação em formato digital.

Afinal, qual a vantagem deste novo meio para se armazenar e transferir a titularidade de ativos? Vamos ver quem se beneficia, como os tokens são usados hoje, e quais as tendências na área.

Para que servem os tokens?

A maior vantagem do token é não depender de determinada empresa ou grupo para sobreviver. Você provavelmente já acumulou pontos em programas de fidelidade de cartões de crédito, correto? Embora vá variar em cada banco ou emissor, usualmente não é permitido transacionar livremente estes pontos.

Do mesmo modo, o emissor pode, a qualquer momento, cancelar seus pontos, ou colocar limites para conversão em milhas aéreas e outros benefícios. Ou seja, os pontos acumulados podem ser seus, porém você não possui controle total dos mesmos.

Através do uso de blockchains, as redes de computadores que não dependem da coordenação de uma entidade central, estes pontos de programa de fidelidade ganham independência. Desta forma, o usuário passa a ter controle do ativo digital, que pode seguir existindo independente da existência da empresa emissora.

De maneira análoga, o token que representa um ativo real, por exemplo, um título de precatório, ou uma quantia de ouro, pode ser livremente transacionado entre seus usuários, sem possibilidade de intervenção pelo emissor.

Aproveite para conhecer os tokens de consórcio e precatórios negociados no Mercado Bitcoin.

Como funciona?

Primeiramente, é necessário entender como funcionam as criptomoedas. Esta classe especial de criptoativos possui sua própria rede, onde circulam as informações de saldos, e movimentações dos usuários.

Desta maneira, cada computador rodando o software da criptomoeda torna-se parte de uma grande rede independente. Isto permite que os tokens sejam criados aproveitando essa estrutura já existente, sem necessitar de uma rede blockchain própria.

Nesse sentido, os tokens são uma classe de criptoativos dependente de outras criptomoedas. Deste modo, aproveitam os benefícios de segurança, transparência, e flexibilidade nas transferências.

Mais de 70% dos tokens mais conhecidos existem dentro da rede Ethereum (ETH). Isto ocorreu por conta da facilidade de programação dos contratos através da padronização. Em vista disso, o padrão ERC-20 e a linguagem de programação Solidity da Ethereum dominaram o mercado.

Qual a diferença entre token e criptomoeda?

Quanto a representação digital de um bem é armazenada em redes blockchains, estes passam a ser conhecidos como criptoativos. No entanto, estes tokens em formato criptográfico são dependentes de outras criptomoedas já existentes.

Existem casos nos quais tokens optaram por criar seu próprio blockchain, quando são criadas como um token na rede Ethereum, podem optar por migrar e virar uma criptomoeda independente.

Em suma, o token conta com todos os benefícios trazidos pelos contratos digitais programáveis (smart contracts). Assim sendo, consegue realizar tarefas complexas, porém de forma descentralizada e transparente.

De qualquer modo, ambos os tokens e criptomoedas podem ser extremamente demandados e valorizados, e eventualmente competem em alguns nichos.

Qual o benefício da tokenização?

Tokenizar um ativo é transforma-lo em formato digital, através de um processo conhecido como tokenização. Esta tendência tem acelerado nos últimos dois anos, e já existem imóveis, automóveis, e até mesmo fatias de empresas negociando em forma de tokens.

A prova do sucesso desta estratégia é a intenção dos Bancos Centrais e governos de tokenizar suas moedas fiduciárias. Isto já está em testes na China, por exemplo.

O detentor desses tokens ganha a transparência e autonomia conferida pelo blockchain, este banco de dados descentralizado. Do outro lado temos o emissor, que se beneficia da capacidade de dividir o ativo em parcelas menores, aumentando sua liquidez.

Desta maneira, ao tokenizar um imóvel, um título de precatório, ou barras de ouro, é possível negociar e movimentar frações do ativo, sem a necessidade de autorização de uma entidade central.

Em suma, isto amplia o acesso a mercados anteriormente restritos, e facilita a transferência e registro da posse deste bem, por conta da transparência e segurança do blockchain.

O vídeo abaixo explica como e por que investir em tokens de precatório.

Características que tornam os tokens vantajosos

Acesso democratizado: é possível emitir uma grande quantidade de tokens com baixo valor unitário, aumentando o acesso do público investidor.

Transparência: a tecnologia blockchain permite o controle preciso de quais endereços na rede controlam cada token; no entanto, o emissor pode exigir, se assim desejar, que este proprietário se identifique no momento da conversão do token no ativo real.

Eficiência: a tecnologia blockchain elimina uma série de intermediários, especialmente custodiantes e depositários; isso reduz o custo final da operação, e aumenta o retorno do investidor.

Segurança: o próprio usuário pode fazer a custódia (guarda) destes tokens, ou, se preferir, deixá-los sob a guarda do custodiante de sua preferência; não existe a obrigatoriedade de manter os ativos em determinada entidade.

Qual o futuro deste mercado?

O sucesso dos tokens criptográficos começou com as stablecoins, criptoativos pareados com o Dólar. Atualmente existem cerca de 19 bilhões de Dólares equivalentes circulando nesta classe de criptoativos.

Em seguida tivemos a ascensão dos criptoativos lastreados em ouro, atuando de maneira similar às stablecoins do Dólar. No entanto, o maior avanço partiu dos utility tokens (utilitários), que representam um acesso a determinado serviço ou produto.

O vídeo abaixo detalha as vantagens e características do token lastreado em ouro, Pax Gold (PAXG), disponível para negociação em nossa plataforma.

Deste modo, os tokens utilitários não são desenhados como reserva de valor, ou meio de pagamento. Um exemplo recente é o token Chiliz, negociado no Mercado Bitcoin, da plataforma internacional Socios.com de interação com fãs de esportes.

Por último, estamos presenciando o nascimento da indústria de security tokens, os tokens de valores mobiliários. Neste último caso, os criptoativos representam ações de empresa, derivativos, ou outros instrumentos regulados.

Em suma, é inegável que esta indústria está em pleno crescimento. Desta maneira, mesmo não competindo diretamente com as criptomoedas, tokens podem ter grande utilidade, e consequentemente, valor.

Curtiu este conteúdo sobre tokens e criptoativos? Compartilhe no Instagram e Facebook, e auxilie sua rede de contatos na inclusão financeira digital. O Mercado Bitcoin se orgulha em ser a maior e mais transparente exchange de criptoativos da América Latina.

Fique ligado

Ainda não tem conta?

Participe agora da nova economia digital!

Criar conta

Fique por dentro das novidades

Assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo assim que sair.