Volatilidade: o que é e como usá-la a seu favor

Existem alguns conceitos que podem à primeira vista parecer apenas de interesse teórico, mas ao analisarmos de perto, vamos entender que observando apenas um gráfico é possível definir o quão arriscado é um investimento em relação aos demais.

Agora é sua vez de aprender sobre volatilidade, mas além disso vamos mostrar de maneira simples como acompanhar este indicador no Bitcoin e criptomoedas, ouro, ações, fundos, ou qualquer outro investimento de seu interesse.

Conceito de volatilidade

Volatilidade é a facilidade de expansão e contração de alguma medida. Em finanças, significa fortes oscilações de preço, não importa se positivas ou negativas.

Um Título de Renda Fixa, por exemplo, apresenta leves ganhos diários quase constantes, logo sua volatilidade é praticamente zero.

No caso de um ativo cujo preço se move de forma abrupta e imprevisível, a volatilidade é alta. A cotação da moeda brasileira medida em Dólar se encaixa neste cenário.

O mesmo ativo, por exemplo, um Fundo Imobiliário, pode apresentar períodos de baixa volatilidade, onde não há grandes oscilações nos retornos, porém mais adiante, apresentar variações bruscas, gerando aumento no indicador. Ou seja, não é garantia de ausência de risco, uma vez que é calculado a partir de movimentos no passado.

Percepção de risco do investidor

Embora ativos com maior volatilidade assustem algumas pessoas, é necessário compreender que o grau de risco do investimento está intimamente ligado ao seu retorno potencial.

Devemos lembrar que a economia comportamental, ao comparar a dor da perda com o prazer de um ganho, para a maior parte dos investidores, nos mostra que o impacto do prejuízo é cerca de duas vezes mais forte do que o prazer do lucro.

Desta forma, podemos entender parte deste mito de que volatilidade é ruim, portanto indesejável. O investidor de sucesso deve aprender a administrar este risco dentre seu portfólio através da alocação correta em cada classe de ativos.

O Bitcoin é um ativo volátil

No gráfico acima, a cotação do Bitcoin no Mercado Bitcoin no final de setembro de 2019 saiu de R$ 34.500 para R$ 29.000 (-16%), para poucos dias depois retornar aos R$ 33.100 (+14%). Este é um exemplo clássico de um ativo com alta volatilidade, pois mesmo em questão de horas, encontramos altas e quedas superiores a 5%.

Lembrando que a volatilidade de um ativo pode variar com o tempo, e mesmo o Bitcoin passou por períodos de semanas ou meses oscilando dentro de uma faixa estreita de preços, portanto, apresentando baixa volatilidade.

No exemplo acima temos a cotação da moeda chinesa, Yuan, em julho de 2019. Repare que embora existam variações na cotação, o movimento de desvalorização frente ao Dólar foi praticamente constante ao longo do mês. Não há grandes oscilações de alta ou baixa, portanto a volatilidade no período é baixa.

Conforme podemos perceber com clareza no vídeo acima, existem diversas diferenças entre o mercado de ações tradicional e criptomoedas.

O fato de existir um horário de negociação, além da presença dos finais de semana e feriados impedindo transações de ações e fundos imobiliários, pode ser considerado uma grande desvantagem em relação ao Bitcoin e tokens negociados no Mercado Bitcoin.

Quando analisamos um período mais longo, por exemplo, um ano, a volatilidade do Bitcoin é maior do que as ações do Ibovespa. Repare no gráfico abaixo a linha contínua azul em comparação com o Ibovespa, representado pela linha amarela contínua.

Quando analisamos a volatilidade dos últimos 30 dias, notamos que março de 2020 foi um mês muito atípico para ambos os ativos. A volatilidade do Ibovespa - linha amarela pontilhada - superou a do Bitcoin, chegando inclusive a igualar a máxima histórica de 30 dias da criptomoeda ocorrida no início de 2018.

Dentre os impactos do Coronavírus na volatilidade dos investimentos, destacamos que os investidores mais cautelosos têm buscado opções ainda menos arriscadas. Aqui no Brasil, os investidores testemunharam alguns circuit breakers na B3, deixando claro que o mercado de ações é extremamente arriscado, especialmente em períodos de crise.

É importante ressaltar que volatilidade não é algo negativo ou positivo, pois trata-se apenas de uma medida matemática que ajuda os investidores a analisar riscos e oportunidades. O Bitcoin encontra-se em alta de 131% desde o início de 2019, enquanto o Ibovespa amarga uma perda de 18%.

De qualquer maneira, se existia algum tipo de ressalva dos investidores em relação à alta volatilidade do Bitcoin, este argumento deixou de ser válido após a forte variação de preços ocorrida nas ações do Ibovespa neste mês de março de 2020.

Bitcoin vs ouro e petróleo

No gráfico acima, extraído do site Woobull, é possível notar que a volatilidade do Bitcoin (azul) na medida de um ano segue muito acima do ouro (vermelho), porém já abaixo do petróleo.

De qualquer maneira, a volatilidade do Bitcoin chegou a ser mais de 10 vezes maior que a do Ouro, especialmente no período turbulento de 2018. Isto já não é verdade atualmente, sinalizando que mesmo em períodos de turbulência global, sua volatilidade está alinhada com demais ativos de risco.

A importância das corretoras e exchanges

Um investidor que deseja obter um retorno acima da inflação deverá necessariamente buscar ativos de maior risco. Mesmo que essa fatia represente apenas 10% ou 20% de um portfólio conservador, é muito importante contar com uma corretora - ou exchange, no caso de criptomoedas e tokens - que tenha liquidez e histórico de funcionamento ininterrupto, uptime.

Imagine um dia de forte oscilação no mercado no qual o site ou aplicativo de sua corretora fica indisponível? E o caso de exchanges que ficaram dias ou semanas sem possibilitar saques de Reais e criptomoedas pelos clientes? Justamente por apresentar o melhor histórico de funcionamento, além de contar com a maior equipe de suporte, que o Mercado Bitcoin é líder absoluto nos segmento de ativos alternativos.

Outro aspecto que deve ser levado em consideração, especialmente em períodos de alta volatilidade é a liquidez - a quantidade de ofertas de compra e venda no livro. O Mercado Bitcoin é consistentemente a exchange com mais liquidez do Brasil, segundo comprova o estudo da Passfolio. Isso garante preços melhores e mais agilidade na hora de negociar.

O reconhecimento do Mercado Bitcoin a nível internacional nos colocou dentre as 50 exchanges mais confiáveis do mundo, de acordo com estudo do Blockchain Transparency Institute (BTI) e também como a melhor corretora da América Latina pela ADVFN International Financial Awards 2020.

Tokens e volatilidade

Outra opção interessante para quem procura diversificar sua carteira de investimentos, porém busca ativos com menos volatilidade, são os tokens de ativos reais oferecidos em nossa plataforma Digital Assets.

Dentre as vantagens da tokenização destacamos a maior acessibilidade aos investidores, uma vez que os torna fracionáveis, além de garantir os atributos de eficiência nos controles e transparência advindos do uso da tecnologia blockchain.

Para o investidor, o grande benefício é o acesso a ativos de alta performance, que usualmente são restritos a grandes investidores e instituições financeiras. Os tokens de precatórios oferecidos em 2019 são exemplo disso, com retornos de 16% a 23% ao ano e investimento a partir de R$100.

Recém lançado, os tokens de consórcio são outra opção com alta previsibilidade de pagamento em 180 dias e retorno estimado de 8,9% ao ano. Assim como os precatórios, contam com uma volatilidade baixa e potencial de retorno alto comparado aos Títulos do Tesouro, CDB e LCI de grandes instituições tradicionais.

Nada é estático

Conforme podemos notar, qualquer tipo de análise de investimentos depende do horizonte, e até mesmo da situação político-econômica. Por este motivo é necessário acompanhar os indicadores de volatilidade, além de realizar rebalanceamentos de sua carteira de investimentos a cada três ou quatro meses.

Lembre-se que volatilidade não é algo que devemos evitar, e sim administrar em nosso portfólio. É através de aplicações com um grau maior de risco que o investidor inteligente consegue retornos acima da inflação.

Esperamos que este texto ajude a desmistificar o conceito de volatilidade, que não é algo a se temer, mas sim aproveitar!

Post anteriorPróximo post